• 14 de maio de 2021

Sofrendo com a insônia na pandemia? Aprenda a lidar definitivamente

Se você nunca sofreu com a insônia, provavelmente, conhece alguém que já perdeu a noite de sono por isso. Mais comum do que imaginamos, cerca de 40% dos brasileiros apresentam algum distúrbio de sono, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Veja também

Como deixar a família toda ativa em tempos de isolamento

Esse índice, no entanto, cresceu durante a pandemia do coronavírus, especialmente nas fases mais restritivas, sendo “insônia” a palavra mais buscada no Google (dados de maio de 2020) e o aumento em 130% nas pesquisas de “remédios para insônia”.

Diante de um problema tão recorrente, é necessário fomentar o conhecimento acerca dele, para que mais pessoas que convivem com esse mau aprendam a lidar da maneira correta. Para isso, conversamos com médico psiquiatra Dr. Lucas Bifano, especialista em gestão e cuidados de medicina de família, para esclarecer dúvidas e orientar quanto ao tratamento.

Leia também   Para justificar ausência no domingo, eleitor deve baixar e-Título hoje

O momento vivenciado pela população afeta diretamente seu bem-estar, podendo, portanto, agravar males já existentes, como a insônia, ou ainda desencadeá-los. O psiquiatra explica que a ansiedade, as preocupações com saúde e finanças, a falta de contato com familiares e amigos, e incertezas sobre o futuro são motivos que causam estresse. Dessa forma, quando não gerenciamos isso, nosso sono passa a ter sua qualidade afetada e o problema pode tornar-se uma bola de neve, fazendo com que, cada vez mais, acordemos irritados e ansiosos.

Atuando diretamente com esse distúrbio, o médico relata que as principais queixas dos pacientes são estresse, irritabilidade, agressividade, sensação de já acordar cansado, desatenção, concentração prejudicada.

A principal dica do especialista para lidar com o quadro antes de recorrer ao uso de medicamentos é, principalmente, frear os pensamentos negativos. Além da praticar exercícios físicos durante o dia e evitar o consumo de notícias pesadas, algumas mudanças de hábitos noturnos podem ajudar. “Colocar o celular com o modo de luz noturna ligado, para não sobrecarregar a vista, e evitá-lo, pelo menos, uma hora antes de dormir, adotar técnicas de relaxamento e respiração antes de deitar-se e consumir alimentos leves no jantar”, ele aconselha.

Leia também   Melhores inibidores de apetite: naturais e de farmácia

Entretanto, nem para todos apenas essas técnicas serão o suficiente e poderá ser a hora de procurar ajuda médica para tratar a insônia de forma mais efetiva. Sendo assim, o médico explica que perder uma ou outra noite de sono é algo normal, mas quando esses episódios acontecem com frequência e até limitam tarefas do dia-a-dia é chegada a hora de buscar um profissional.

Antes de prescrever o tratamento ideal, o médico avaliará o caso, dado que cada paciente tem suas particularidades e necessitará de um cuidado específico. Dr Lucas explica como funcionará esse processo no consultório.”O diagnóstico é feito a partir de uma série de perguntas que visam analisar tanto o comportamento quanto o histórico do paciente. Após isso, são feitos exames físicos que podem identificar os sintomas que desencadeiam a insônia.”

Leia também   5 exercícios fáceis para praticar pilates em casa e melhorar a postura

Assim, se você sofre com esse mau de maneira esporádica, poderá tentar colocar em prática as dicas do especialista. No entanto, se ele se repetir em várias noites, afetando sua qualidade vida, é necessário procurar um profissional. Nunca tome medicamentos sem prescrição ou orientação médica.

Consultoria: Dr. Lucas Bifano, médico psiquiatra especializado em gestão e cuidados de medicina de família pela UFMG e Psiquiatria pelo instituto IPEMED Ciências Médicas.

(Alto Astral)

Read Previous

Novas regras para solicitar e sacar auxílio doença no INSS em 2021

Read Next

Asfalto novo na Epia dá mais comodidade para os motoristas