• 16/06/2024

O que a ciência diz sobre o vício em redes sociais?

Um grupo de 41 estados e o Distrito de Columbia (Washington) entrou com uma ação na terça-feira (24) contra a Meta, a empresa-mãe do FacebookInstagram, WhatsApp e Messenger, alegando que a empresa usou conscientemente recursos em suas plataformas para fazer com que as crianças as usem compulsivamente, mesmo quando a empresa afirmava que as redes eram seguras para os jovens.

Veja também

Rebeca Andrade conquista mais um ouro no Pan, agora na trave

“A Meta aproveitou tecnologias poderosas e sem precedentes para atrair, envolver e, por fim, enredar jovens e adolescentes”, afirmaram os estados na ação judicial apresentada em um tribunal federal. “Seu objetivo é o lucro.”

As acusações na ação levantam uma questão mais profunda sobre comportamento —os jovens estão se viciando em redes sociais e na internet? Aqui está o que a pesquisa descobriu.

O QUE TORNA AS REDES SOCIAIS TÃO CATIVANTES?

Especialistas que estudam a internet afirmam que o atrativo magnético das redes sociais surge da maneira como o conteúdo atua em nossos impulsos e conexões neurológicas, de modo que os consumidores acham difícil se afastar do fluxo constante de informações.

Mas quando a recompensa chega é imprevisível. “Assim como uma máquina caça-níqueis”, disse. Os usuários são atraídos por luzes e sons, mas, ainda mais poderoso, por informações e recompensas adaptadas aos interesses e gostos do usuário.

Leia também   O Twitter ficará pior? Bill Gates questiona Elon Musk

Os adultos são suscetíveis, observou ele, mas os jovens estão particularmente em risco, porque as regiões do cérebro envolvidas na resistência à tentação e na recompensa não estão tão desenvolvidas em crianças e adolescentes como em adultos. “Os jovens são totalmente impulsivos e têm pouco controle sobre esse impulso”, disse Greenfield.

Além disso, ele disse que o cérebro adolescente está especialmente sintonizado com as conexões sociais, e “as redes sociais são uma oportunidade perfeita para se conectar com outras pessoas”.

A Meta respondeu à ação judicial afirmando que tomou muitas medidas para apoiar famílias e adolescentes.

Leia também   Em novo teste, Instagram voltará a mostrar número de curtidas

“Estamos desapontados que, em vez de trabalhar de forma produtiva com empresas de toda a indústria para criar padrões claros e adequados à idade para os aplicativos que os adolescentes usam, os procuradores gerais escolheram esse caminho”, disse a empresa em comunicado.

COMPULSÃO É IGUAL A VÍCIO?

Por muitos anos, a comunidade científica geralmente relacionou o vício com substâncias, como drogas, e não com comportamentos, como jogos de azar ou uso da internet. Isso mudou gradualmente.

Em 2013, o DSM (Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais, na sigla em inglês), referência oficial para doenças mentais, introduziu a ideia de vício em jogos online, mas afirmou que mais estudos eram necessários antes que condição pudesse ser formalmente confirmada.

Um estudo subsequente explorou a ampliação da definição para “vício em internet”. Seu autor sugeriu explorar ainda mais os critérios de diagnóstico e a linguagem, observando, por exemplo, que termos como “uso problemático” e até mesmo a palavra “internet” estavam abertos a interpretações amplas, dadas as muitas formas que a informação e sua entrega podem assumir.

Leia também   Instagram | Golpe promete selo de verificado para roubar contas de usuários

Dr. Michael Rich, diretor do Laboratório de Bem-Estar Digital do Hospital Infantil de Boston, disse que desencorajava o uso da palavra “vício” porque a internet, se usada de forma eficaz e com limites, não era apenas útil, mas também essencial para a vida cotidiana.

“Prefiro o termo ‘uso problemático de mídias na internet'”, disse, um termo que ganhou popularidade nos últimos anos.

Greenfield concorda que existem usos valiosos para a internet e que a definição do quanto é demais pode variar. Mas ele disse que também havia casos claros em que o uso excessivo interfere na escola, no sono e em outros aspectos vitais de uma vida saudável.

Muitos jovens consumidores “não conseguem largar”, disse ele. “A internet é uma seringa gigante, e o conteúdo, incluindo as redes sociais como a Meta, são as drogas psicoativas.”

(Folha de São Paulo)

Read Previous

Lula assume falha por derrota no Senado e culpa partidos por redução de mulheres no governo

Read Next

Aneel mantém bandeira tarifária verde para novembro