• 24/05/2024

Segundo um estudo, realizar 20 minutos de exercícios por dia compensa 12 horas de tempo sentado

Fazer entre 20 e 25 minutos de atividade física moderada todos os dias pode ser suficiente para compensar o aumento do risco de morte associado a um estilo de vida altamente sedentário, afirma uma pesquisa publicada no British Journal of Sports Medicine.

Veja também

Dicas de autocuidado: psicólogo compartilha 6 delas

A análise feita por pesquisadores da NoruegaDinamarca e Estados Unidos mostra que ficar sentado ou deitado por mais de 12 horas por dia está associado a um risco de morte 38% maior em comparação a um total diário de 8 horas. Mas isso não vale para aqueles que acumulam ao menos 22 minutos diários de atividade física moderada a intensa.

Andar de bicicleta, correr, caminhar rápido e até subir escadas por um curto período de tempo todos os dias pode, então, diminuir a mortalidade de indivíduos que têm estilo de vida sedentário.

A atividade física tem efeito tanto na longevidade quanto na qualidade de vida, diz o médico endocrinologista. Isso porque influencia em fatores metabólicos, como controle da glicose e da pressão; além de ter impacto no humor, reduzindo ansiedade estresse; e no sono, promovendo uma melhor qualidade, afirma.

Leia também   Vai começar a correr em 2024? Veja alguns cuidados importantes

Por fortalecer o coração, o exercício melhora a circulação e está associado também à redução de doenças cardiovasculares, como a hipertensão arterial ou diabetes, que não deixa de ser um grande fator de risco para a aterosclerose, que seria a deposição de gordura nas artérias, diz Eduardo Senra, endocrinologista e clínico da SBCM (Sociedade Brasileira de Clínica Médica).

“O ser humano sempre fez exercícios ao longo da nossa evolução. Era uma obrigação para que a gente conquistasse o nosso alimento. Alguns trabalhos estimam que o ser humano caminhasse às vezes 15 a 18 quilômetros por dia em busca de alimentos, com raras exceções. Então, nós nos moldamos em cima dessa necessidade [do exercício]. Então, é como se o corpo dependesse dele para funcionar melhor em todos os sentidos.”, afirma Senra.

Leia também   7 razões que podem baixar a imunidade

Em países desenvolvidos, os adultos passam em média de 9 a 10 horas por dia sentados, principalmente durante o horário de trabalho, segundo os pesquisadores. E o sedentarismo está ligado a um maior risco de morte.

No estudo, eles reuniram dados individuais de participantes de quatro grupos de pessoas para descobrir se a atividade física pode modificar a associação entre o tempo sedentário e a morte, e vice-versa, e qual quantidade de atividade física e tempo sentado pode influenciar o risco.

Quase 12.000 pessoas com pelo menos 50 anos foram incluídas na análise. Elas tiveram um mínimo de 4 dias de 10 horas diárias de registros de rastreadores de atividade, foram monitoradas por pelo menos 2 anos e forneceram detalhes de fatores potencialmente influentes: sexo, nível educacional, peso, altura, histórico de tabagismo, consumo de álcool e se tinham doença cardiovascular atual e/ou anterior, câncer e/ou diabetes.

Leia também   Nível de ferro no sangue pode ser segredo para vida longa

Além do tempo médio, a pesquisa estabeleceu que quanto maior o sedentarismo, mais esses 22 minutos vão reduzir a mortalidade. E quanto maior o tempo de exercício diário, chegando até 50 minutos, melhor.

Mas a mensagem principal, segundo os especialistas, é: “qualquer coisa é melhor do que nada”. “A gente não pode menosprezar nenhum tipo de movimentação ao longo do dia, principalmente na sociedade que hoje nós vivemos, onde o trabalho sentado é quase uma regra”, diz Senra.

(Folha de São Paulo)

Read Previous

Câmara aprova projeto de lei de taxação para super-ricos

Read Next

Centenas de policiais procuram atirador que matou ao menos 22 nos EUA