• 21/06/2024

Centenas de policiais procuram atirador que matou ao menos 22 nos EUA

Centenas de policiais foram mobilizados para as operações de busca, nesta quinta-feira (26), pelo atirador que matou ao menos 22 pessoas na cidade de Lewiston, no estado do Maine, nos Estados Unidos. Autoridades impuseram um lockdown no município, enquanto o criminoso, que estaria armado e foi descrito como perigoso, continua foragido.

Veja também

Unidade neonatal de Gaza alerta que bebês morrerão se energia acabar

O massacre aconteceu na noite desta quarta (25) em um restaurante e em uma pista de boliche. Dezenas de pessoas foram feridas, e autoridades dizem que o número de mortes deve aumentar. A motivação dos crimes continua desconhecida.

A polícia de Lewiston publicou imagem do suspeito, Robert Card, 40. Ele aparece segurando o que parece ser um rifle de longo alcance, não incomum em massacres recentes no país. Segundo a rede CNN, que cita autoridades de segurança, o homem é reservista do Exército e instrutor de tiros certificado.

“Nossos hospitais não estão equipados para lidar com este tipo de tiroteio”, afirmou o vereador local Robert McCarthy, acrescentando que de 50 a 60 pessoas ficaram feridas. Lewiston é a segunda cidade mais populosa de Maine, com cerca de 38 mil pessoas, e está localizada a cerca de 800 km a nordeste de Washington. As autoridades pediram aos moradores que fiquem em suas casas.

Policial em frente a hospital na cidade de Lewiston, em Maine, após atirador matar ao menos 22 pessoas
Policial em frente a hospital na cidade de Lewiston, em Maine, após atirador matar ao menos 22 pessoas – Joseph Prezioso/AFP

O hospital Central Maine Medical Center afirmou que sua equipe estava “reagindo a um episódio de atirador em massa com múltiplas vítimas” e estava em contato e coordenação com outros hospitais da região para receber os pacientes.

Leia também   G7 condena ataque do Irã a Israel e indica a possibilidade de medidas futuras

O massacre, um dos mais letais no país nos últimos anos, entra para a lista de ataques recentes nos EUA, onde o acesso às armas é facilitado. Depois de ser informado sobre os crimes, o presidente americano, Joe Biden, saiu de um jantar em homenagem ao premiê australiano para entrar em contato com as autoridades do Maine e oferecer o apoio do governo federal, segundo a Casa Branca.

“Temos literalmente centenas de policiais trabalhando em todo o estado para investigar o caso e para localizar o senhor Card”, afirmou o secretário de Segurança Pública do Maine, Mike Sauschuck. Agentes do FBI, a polícia federal americana, também participam das operações de busca.

Read Previous

Segundo um estudo, realizar 20 minutos de exercícios por dia compensa 12 horas de tempo sentado

Read Next

Rebeca Andrade conquista mais um ouro no Pan, agora na trave