• 21/06/2024

Putin promete ‘intensificar’ bombardeios russos na Ucrânia após ataque em Belgorod

O presidente russo Vladimir Putin prometeu, nesta segunda-feira, 1º, “intensificar” seus bombardeios na Ucrânia, em resposta ao ataque ucraniano que deixou dezenas de mortos no sábado em Belgorod, dois anos depois da invasão russa da ex-república soviética.

Veja também

Mundo começa a dar boas-vindas ao Ano Novo

“Intensificaremos os ataques, nenhum crime contra civis ficará impune, isso é certo. Os ataques serão realizados contra instalações militares”, declarou Putin durante uma visita a um hospital militar.

Suas declarações ocorreram após um ataque no sábado, 30, que deixou 25 mortos em Belgorod, a cerca 30 km da fronteira ucraniana.

Na sexta-feira, Moscou havia disparado mais de 150 mísseis e drones contra diversas cidades da Ucrânia, deixando em torno de 40 mortos e mais de 160 feridos, de acordo com as autoridades.

Utilizamos armas de precisão para atacar centros de tomada de decisão, locais onde se reúnem soldados e mercenários e outros centros semelhantes, especialmente instalações militares”, continuou Putin.

Leia também   Pequim fecha parques e museus em meio a aumento de casos de covid19

O presidente russo classificou o bombardeio contra Belgorod como um “ato terrorista” e acusou as forças ucranianas de atacarem “o centro da cidade, onde as pessoas passeiam na véspera do Ano Novo”.

Ele também enfatizou que “a Ucrânia não é um inimigo” e acusou o Ocidente de usar as autoridades de Kiev para “resolver seus próprios problemas” com a Rússia.

Putin garantiu, ainda, que as forças militares de seu país dispunham de uma “iniciativa estratégica” no front de batalha na Ucrânia, onde os soldados avançam mais a cada dia após o fracasso da contraofensiva de Kiev.

Ataques em Donetsk

O governador de Belgorod, Viatcheslav Gladkov, anunciou que uma menina de 4 anos que estava em estado “muito grave” acabou falecendo em decorrência dos ferimentos no ataque. Segundo ele, 109 pessoas ficaram feridas, das quais 70 permanecem internadas.

Leia também   Embaixada e consulados norte-americanos retomam renovação de vistos

Autoridades russas informaram nessa segunda-feira que um ataque ucraniano contra Donetsk, cidade do leste da Ucrânia controlada por Moscou desde 2014, deixou pelo menos quatro mortos. O presidente da Rússia, Vladimir Putin, promete ‘intensificar’ os bombardeios contra instalações militares do país vizinho.

Além dos bombardeios dos últimos dias, outro ataque ucraniano à cidade de Donetsk, localizada na área controlada pela Rússia no leste da Ucrânia, deixou pelo menos quatro mortos e 13 feridos, anunciou nesta segunda-feira Denis Pushilin, que dirige a “república” de Donetsk.

O funcionário afirmou que as forças ucranianas atacaram o centro deste reduto pró-Rússia com bombas de fragmentação.

“O objetivo do inimigo era causar o maior dano possível à população civil”, declarou Pushilin no Telegram, afirmando que os ataques não tinham “sentido do ponto de vista militar”.

Leia também   Guerra na Ucrânia completa 500 dias

Um jornalista morreu e outro ficou ferido, segundo serviços de resgate citados pela agência de notícias russa TASS.

A cidade de Donetsk, no leste da Ucrânia, é controlada por separatistas pró-Rússia apoiados por Moscou desde 2014. Desde então, tem sido regularmente bombardeada pelo Exército ucraniano.

Esta ofensiva de Kiev danificou uma escola, edifícios residenciais, uma loja, um centro comercial e outros edifícios, informou o Comitê de Investigação Russo no Telegram.

A Ucrânia, por sua vez, afirmou ter enfrentado um ataque “recorde” com 90 drones russos na véspera de Ano Novo.

O ataque teve como alvo várias cidades, incluindo Odessa (sul) e Lviv (oeste), e deixou pelo menos um morto.

O Ministério do Interior ucraniano anunciou na segunda-feira a morte de duas pessoas e disse que outra tinha ficado ferida em um ataque de drone a um edifício residencial na região nordeste de Sumy.

(AFP)

Read Previous

Cinco apostas acertam a Mega da Virada

Read Next

Investimento de R$ 41 milhões no Cartão Gás amparou 77 mil famílias em 2023