• 20/06/2024

ONU alerta que comida e água estão acabando rapidamente em Gaza

O Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas (PMA) alertou nesta quinta-feira (12) que suprimentos essenciais estavam em um nível perigosamente baixo na Faixa de Gaza depois que Israel impôs um bloqueio total ao território na esteira de ataques
mortais do Hamas.

Veja também

Brasileiros estão entre reféns mantidos pelo Hamas em Gaza, diz Israel

“Estamos vendo uma situação terrível se desenrolar na Faixa de Gaza, com alimentos e água escassos e acabando rapidamente”, disse Brian Lander, vice-chefe de emergências do PMA, com sede em Roma.

“O PAM está no local e está respondendo. Estamos fornecendo alimentos a milhares de pessoas que procuraram abrigo em escolas e em outros locais do território. Mas vamos ficar sem comida muito em breve”, disse à Reuters TV.

Leia também   Alemanha limitará vida pública dos não vacinados contra covid-19

Israel anunciou um cerco total a Gaza na segunda-feira (9), bloqueando a entrada de alimentos, combustível e água no território costeiro e fechando todos os pontos de passagem após a violência promovida pelo Hamas no fim de semana, que matou mais de 1,3 mil pessoas. Israel anunciou que não fará exceções humanitárias enquanto o Hamas mantiverem reféns israelenses.

A agência pede que Israel e Egito criem corredores seguros para que o PMA possa levar suprimentos para Gaza e garantir que o pessoal da ONU possa trabalhar com segurança na área.

“Vimos vários locais que são considerados humanitários, ou clínicas e escolas que foram atingidas pelos ataques. Por isso, mais uma vez, apelamos às partes no conflito para que cumpram as suas obrigações de acordo com o direito humanitário internacional”, disse.

Leia também   Detran instala semáforos em faixas de pedestres em Águas Claras

A agência da ONU responsável pelos refugiados palestinos (UNWRA) relatou que 11 de seus funcionários foram mortos no conflito até agora. “(É) uma tragédia terrível e realmente estendemos nossas condolências às suas famílias”, disse Lander.

Em tempos normais, a agência da ONU fornece assistência alimentar direta a cerca de 350 mil palestinos mensalmente, além de oferecer ajuda a quase 1 milhão de pessoas em cooperação com outros parceiros humanitários através de transferências de dinheiro.

Em relatório de 2023, as agências da ONU estimaram que 58% dos residentes da Faixa de Gaza necessitavam de assistência humanitária, com 29% dos lares de Gaza vivendo em condições extremas ou catastróficas, em comparação a 10% em 2022.

Leia também   Governo avalia reclassificar covid-19 no Brasil para endemia

(Reuters)

Read Previous

Para obras, Epig terá mudança no trânsito a partir de sexta-feira (13)

Read Next

Lula conversa com presidente de Israel e pede corredor humanitário