• 3 de março de 2024

VAI PESAR NO BOLSO DO GOIANO | Alego aprova projeto do governo Caiado que aumenta ICMS de 17% para 19%

O projeto do governo estadual que prevê o aumento da alíquota do ICMS modal em Goiás de 17% para 19% foi aprovado em segunda e definitiva votação na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), nesta quarta-feira (6). O texto foi enviado no fim de novembro e passou em primeira votação na terça-feira (6).

Veja também

Aeroporto de Goiânia vai ganhar o quarto espaço do País que oferece experiências diferenciadas para clientes do banco

Nesta quarta, o texto passou com o voto contrário dos seguintes deputados: Clécio Alves (Republicanos), Antônio Gomide (PT), Bia de Lima (PT), Mauro Rubem (PT), Major Araújo (PL), Paulo Cezar Martins (PL), Eduardo Prado (PL), Gustavo Sebba (PSDB), José Machado (PSDB) e Fred Rodrigues (DC). Com a aval da Assembleia Legislativa, o texto segue agora para a sanção do governador Ronaldo Caiado (União Brasil).

Leia também   Policia Civil investiga irregularidades em contratos da Secretaria de Saúde com OS de irmão de ex-secretário da pasta do governo Caiado

Na justificativa, o governo estadual alega perdas de arrecadação referentes à redução da alíquota promovida pelo governo Jair Bolsonaro (PL), em 2022, e receio das mudanças promovidas pela reforma tributária, que será colocada em prática somente em 2029.

Durante a primeira votação, realizada na terça-feira (5), os deputados contrários à matéria protestaram pela forma como foi colocada em pauta. Já que foi votada em apenas 15 segundos, sem oportunidade para que os parlamentares discutissem o projeto ou se posicionassem no plenário. Foi preciso que o presidente da casa, Bruno Peixoto (União Brasil) solicitasse o registro dos votos contrários em ata e ainda fizesse uma votação no painel de forma simbólica.

Leia também   Policiais de Goiás apreendem mais de 100 toneladas de drogas

Nesta quarta, em nova manifestação contrária, Clécio Alves (Republicanos), mesmo da base do governador, criticou a matéria na tribuna. Segundo ele, em audiência pública na última segunda (4), 19 entidades representativas foram contra o projeto. “Não teve sequer um representante que dissesse que isso seria bom”.

E questionou: “O desemprego só aumenta. Eu vivo nas periferias conversando com o povo. O que tem de gente que não tem o que comer em casa, não tem um passe de ônibus para ir buscar emprego. Vocês acham que o povo aguenta um negócio desses?”

Leia também   Mendanha é vítima de fake news sobre aliança com PT

Da oposição, Delegado Eduardo Prado (PL) afirmou que o aumento é ““irresponsável” e afetará a economia “mais do que ela já está afetada neste momento pós-pandemia. Vamos afetar o setor produtivo em um Estado em que a capital tem 6 mil lojas fechadas”.

(Mais Goiás)

Read Previous

Com gol de Marta, Seleção Brasileira feminina goleia Nicarágua em último amistoso do ano

Read Next

Cristiano Araújo destaca esforços do GDF para impulsionar o turismo em Brasília