• 23/05/2024

Quais doenças afetam mais homens ou mulheres

Sexo e gênero são fatores essenciais que moldam a saúde humana. À medida que as pesquisas avançam, surge um conjunto cada vez maior de evidências que destacam as diferenças substanciais na saúde entre mulheres e homens.

Utilizando dados do Global Burden of Disease Study como base, a revista Lancet Public Health publicou um artigo que analisa as diferenças nas principais causas de doenças entre homens e mulheres.

No estudo, foram apresentadas as desigualdades que se refletem entre as 20 causas de morte mais comuns em homens e mulheres. Os pesquisadores constataram que as mulheres carregam uma carga maior de condições relacionadas à morbidade e transtornos depressivos, enquanto os homens tendem a apresentar taxas mais altas para condições relacionadas à mortalidade.

Leia também   7 hábitos terríveis para a pele que você deve evitar no inverno

Enquanto os homens são desproporcionalmente afetados por acidentes de trânsito (72% a mais que mulheres) e câncer de pulmão (57% a mais), as mulheres sofrem mais com dor lombar (61%) e os transtornos mentais de ansiedade (65%) .

A epidemiologista brasileira Luísa Flor, professora da Universidade de Washington (EUA), foi responsável por coordenar o trabalho mundial. Da lista, foram excluídos problemas como câncer de próstata ou tumores no útero, que só acomete um dos sexos biológicos. Confira:

Doenças com maiores impactos em mulheres

  • Transtornos de ansiedade (64,8%)
  • Dor lombar (60,9%)
  • Distúrbios de dor de cabeça (58,1%)
  • Transtornos depressivos (52%)
  • Outros distúrbios músculo-esqueléticos (48,9%)
  • Alzheimer e outras demências (37,2%)
  • HIV/Aids (14,1%)
Leia também   6 dicas simples para emagrecer e perder barriga

Doenças com maiores impactos em homens

  • Perda auditiva (9,7%)
  • Diabetes (11,8%)
  • Doença renal crônica (22,7%)
  • AVC (29,3%)
  • Queda (31,5%)
  • Infecção do trato respiratório inferior (32,8%)
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica (36,1%)
  • Tuberculose (42,7%)
  • Covid-19 (44,5%)
  • Doença cardíaca isquêmica (44,7%)
  • Cirrose e doenças hepáticas crônicas (56,7%)
  • Câncer de traqueia/brônquio/pulmão (56,8%)
  • Acidentes de trânsito (71,6%)

O critério usado para medir o impacto de cada problema foi o de “anos de vida ajustados por incapacitação”, medida usada em epidemiologia para calcular quantos anos de vida ativa e com qualidade uma pessoa perde em função de doença ou lesão, seja por morte precoce ou por condições incapacitantes. O cálculo leva em conta a idade e a expectativa de vida da pessoa.

Leia também   Descubra quais são os impactos da ansiedade na pele

(Portal Terra)

Read Previous

Governo quer medida excepcional para agilizar envio de recursos ao RS

Read Next

Faculdade Senac-DF promove 1º workshop de Metaverso