• 20/06/2024

Entenda a relação entre câncer de pele e exposição solar

Nos últimos anos, os cuidados com a pele têm sido mais discutidos e implementados na rotina de diferentes pessoas. No entanto, o uso do protetor solar ainda tem ficado em segundo plano na rotina de skincare. Não à toa, segundo dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o câncer de pele, que pode ser prevenido com o uso desse produto, representa cerca de 33% de todos os diagnósticos da enfermidade no país.

Veja também

Veja como a música tem poder sensorial e curador

Causas e fatores de risco do câncer de pele

O câncer de pele se origina por vários motivos:

  • Excesso de sol ao longo da vida;
  • Exposições pontuais ao sol, em que há queimadura da pele, especialmente com bolhas;
  • História familiar/genética;

Além disso, outros fatores aumentam o risco, como:

  • Tabagismo;
  • Uso de produtos químicos;
  • Metais pesados, fuligem, entre outros.

Tipos de câncer de pele

O câncer de pele é ordenado pelo menor e maior índice de mortalidade e é dividido em três tipos:

  • Carcinoma basocelular;
  • Carcinoma espinocelular;
  • Melanoma.
Leia também   Dicas para praticar o autocuidado e cuidar da saúde mental

Uso incorreto do protetor solar

De acordo com a dermatologista Paula Sian, entre os fatores de risco para o câncer de pele está na aplicação do protetor solar. Ao longo de sua experiência com pacientes em consulta, a médica percebeu que as pessoas não se protegem corretamente do sol, e quando o fazem é de forma incorreta, ou seja, se expondo ao risco da mesma maneira.

“A maioria das pessoas são conscientes do uso da proteção solar, só se esquecem que só é possível obter a eficácia se reaplicar o produto ao longo do período de exposição; do contrário, não há proteção suficiente”, explica.

Outra informação importante que as pessoas ignoram ou preferem ignorar são os horários recomendados e o uso de outros meios de proteger-se dos raios solares. Chapéus, óculos escuros, tecidos com proteção solar, sombra e, principalmente, o tempo de contato direto com os raios solares.

Pessoas com sarda têm maior probabilidade de ter câncer de pele
Pessoas com sarda têm maior probabilidade de ter câncer de pele – Foto: Olena Yakobchuk | Shutterstock / Portal EdiCase

Perfis com tendência a ter câncer de pele

A médica explica que todo câncer tem mais probabilidade de sucesso e cura quando descoberto ainda no início. Por isso, é importante estar atento aos sinais, principalmente nos casos em que há hereditariedade, e procurar um especialista para avaliar os sinais.

Leia também   Falta de vitamina D pode aumentar risco de covid-19

Nesse sentido, existem perfis que precisam de mais atenção. Tais como:

  • Histórico de câncer de pele na família;
  • Ter mais de 65 anos;
  • Possuir muitas sardas e pintas pelo corpo;
  • Ter sido exposto a longos períodos ao sol durante a vida;
  • Peles claras que apresentam vermelhidão com a exposição aos raios solares.

Paula Sian também alerta sobre o cuidado com as crianças, uma vez que elas não entendem que o sol de hoje pode trazer consequências para o futuro.

Tratamentos indicados para a doença

Os tratamentos para a doença variam de acordo com o tipo e estágio de cada paciente. Os métodos mais comuns são:

  • Cirurgia;
  • Curetagem;
  • Eletrodissecação;
  • Criocirurgia;
  • Laser;
  • Terapia fotodinâmica.

Cuidados para evitar problemas com a exposição solar

O câncer de pele, assim como o de pulmão e alguns outros, estão ligados à autorresponsabilidade, ou seja, eles podem ser evitados ou minimizados com cuidados essenciais. Isso não significa deixar de desfrutar das férias de verão. Basta aproveitar de forma consciente:

  • Evitar se expor nos horários entre 10h e 15h;
  • Aplicar protetor solar antes de vestir a roupa e reaplicar a cada vez que sair da água, e a cada 3 horas;
  • Usar protetores solares em grande quantidade, até a pele ficar esbranquiçada. Fique tranquilo, pois o produto será absorvido em minutos;
  • Usar roupas com proteção solar, como camisetas e chapéus;
  • Usar óculos de sol;
  • Hidratar-se sempre com água e sucos, evitar refrigerantes e bebidas alcoólicas, pois tem maior risco de desidratação no calor.
Leia também   Médicos alertam gestantes sobre importância da vacinação no pré-natal

Consulte um especialista

Paula Sian reforça a importância de fazer acompanhamento anual com o dermatologista. A checagem das pintas e a monitorização dos pacientes que já tiveram câncer de pele é fundamental para ter certeza de que aquele câncer que foi retirado não voltou ou se não apareceram novas lesões.

Por Bruna Caires

Portal EdiCase

Read Previous

Inmet prevê aumento de chuvas no Sudeste nos próximos dias

Read Next

Mutirão para emissão da carteira de identidade ocorrerá neste sábado