• 25 de janeiro de 2021

Moraes, do ST, prorroga por mais 60 dias inquérito que investiga possível interferência de Bolsonaro na PF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu nesta sexta-feira prorrogar por mais 60 dias o inquérito que investiga se o presidente Jair Bolsonaro tentou interferir no comando da Polícia Federal.

Veja também

“Eu não vou tomar, é um direito meu”, diz Bolsonaro sobre vacina contra Covid-19

No mesmo despacho, Moraes pediu para que o procurador-geral da República, Augusto Aras, se manifeste em cinco dias sobre a posição de Bolsonaro na véspera, que informou que não faria um depoimento presencial nesse inquérito.

Leia também   Reeleição de Rafael Prudente, para presidência da CLDF, agora já conta com 21 apoios

Apesar da posição expressa por Bolsonaro, a questão sobre seu depoimento neste inquérito ainda não foi definida pelo Supremo.

Na véspera, a AGU havia lembrado que o prazo do inquérito estava para ser encerrado e ainda destacado que a divulgação da íntegra do vídeo da reunião ministerial de abril “demonstrou claramente infundadas quaisquer das ilações que deram ensejo ao presente inquérito”.

O formato do depoimento de Bolsonaro ainda está em aberto. O ministro Marco Aurélio Mello, que foi relator substituto, chegou a se posicionar a favor do depoimento por escrito do presidente. Contudo, essa questão foi levada posteriormente ao plenário do Supremo.

Leia também   Bolsonaro fala em estender auxílio emergencial até o final do ano

Ex-relator do inquérito que se aposentou no início do mês passado, Celso de Mello votou para que Bolsonaro prestasse depoimento presencial, mas os demais ministros não votaram no caso. O presidente do STF, Luiz Fux, não marcou uma nova sessão para continuar a apreciação dessa questão em plenário.

Na prática, Bolsonaro não esperou um posicionamento final do plenário do Supremo para se manifestar sobre o assunto.

O inquérito foi aberto após o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro acusar Bolsonaro de tentativa de interferência na PF.

Leia também   Vacina de Oxford pode ser distribuída em junho do ano que vem no Brasil

(Reuters)

Avatar

Destaque DF

Read Previous

Black Friday: dicas para aproveitar as promoções e economizar muito

Read Next

Obra do Hospital de Campanha de Ceilândia é entregue à Secretaria de Saúde