• 24/07/2024

Michelle encena treino de luta para ironizar acusação de incentivo a golpe de Bolsonaro; veja

A ex-primeira dama Michelle Bolsonaro ironizou a delação premiada do tenente-coronel Mauro Cid na qual o militar teria dito que ela incitava o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) a dar um golpe de estado e não aceitar o resultado das eleições de 2022.

Veja também

Onda de calor atinge cinco Estados, e temperaturas devem superar 40ºC; veja previsão

Michele faria parte de um grupo de conselheiros radicais, juntamente com o deputado Eduardo Bolsonaro (PL), um dos filhos do ex-presidente, segundo informação do UOL. Mauro Cid relatou isso à Polícia Federal, de acordo com o portal.

Leia também   Bolsonaro volta a desdenhar do vírus: "É igual a uma chuva"
foto colorida com Michele à frente, com o microfone na mão e roupa cinza. Bolsonaro, homem idoso, está ao fundo sem sorriso
Michele e Jair Bolsonaro em evento do PL, em maio – Marlene Bergamo / Folhapress

Neste sábado (11), a ex-primeira dama citou a informação em discurso em encontro do PL Mulheres no Espírito Santo e encenou um treino de luta para ironizar o relato.

Ela disse praticar luta todas as terças e quintas-feiras. Em sua fala, Michele disse que, quando a mulher entra na política, sofre violência, falam coisas que não existem e “há fogo cruzado” e “fogo amigo”.

A ex-primeira-dama é uma das apostas eleitorais do PL, sobretudo depois de Bolsonaro ter sido declarado inelegível. Ela vem participando de eventos e figurando em propagandas da legenda.

Mauro Cid era ajudante de ordens da Presidência da República. Ele foi preso em maio, mas foi solto em setembro após assinar o acordo de delação com a Polícia Federal.

Leia também   Chico Vigilante diz que Anderson Torres e Mauro Cid “vão ter que comparecer” em oitiva

De acordo com esse relato de Cid, o grupo integrado por Michele e Eduardo costumava dizer que Bolsonaro tinha apoio da população e dos atiradores esportivos, conhecidos como CACs (Colecionador, Atirador Desportivo e Caçador), para uma tentativa de golpe.

A discussão de Bolsonaro sobre uma ação militar contra o resultado eleitoral é alvo de investigação da Polícia Federal.

Tratativas do ex-presidente com militares têm sido relatadas pelo ex-ajudante de ordens Mauro Cid em sua delação. O tenente-coronel já indicou, por exemplo, que Bolsonaro teria consultado se os chefes militares apoiariam uma intervenção no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), com possível prisão de ministros e convocação de novas eleições. Bolsonaro nega que tenha cometido qualquer ilegalidade.

Leia também   Em pronunciamento, Bolsonaro ignora pandemia e enfatiza defesa da democracia

(Folha de São Paulo)

Read Previous

Onda de calor faz Brasil entrar em alerta vermelho devido às altas temperaturas

Read Next

STF define pena de mais cinco réus condenados por atos golpistas