• 21/06/2024

Lira retorna a Brasília e articula pauta em meio a clima de insatisfação com governo

Com o retorno a Brasília neste domingo (28), o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), deve se encontrar com líderes da Casa e já iniciar a articulação das votações a partir da próxima semana, quando o Congresso retoma as atividades.

Veja também

PF investiga se Abin sob Ramagem atuou por interesses de filhos de Bolsonaro

Não há uma reunião formal convocada para que Lira e os líderes discutam os principais temas desse início de segundo semestre, como o veto de R$ 5,6 bilhões a emendas parlamentares previstas no Orçamento de 2024. Mas aliados do presidente da Câmara e deputados governistas, como o líder do PT, Zeca Dirceu (PR), pretendem ir à residência oficial de Lira antes do fim do recesso.

Esses encontros informais são comuns na agenda do deputado alagoano.

O presidente da Câmara, deputado Arthur Lira, durante entrevista à Folha em setembro – Pedro Ladeira – 14.set.23/Folhapress

A aliados Lira tem dito que a Câmara tem maioria para derrubar o veto de Lula às emendas, que foi anunciado na semana passada. Além disso, o recesso de janeiro não foi capaz de amenizar a insatisfação da cúpula da Casa com a articulação política do governo, cujo principal responsável é o ministro petista Alexandre Padilha.

A pessoas próximas Lira tem dito que a baixa execução das emendas no fim do ano reforça a tendência de derrubada do veto. Isso garantiria ainda mais recursos para deputados e senadores abastecerem suas bases políticas em ano eleitoral.

Leia também   “Há muitas coisas que precisam ser feitas, porém dependem da Câmara Federal”, afirma Vasconcelos

Ainda não há previsão de quando esse veto será votado. A análise depende de uma sessão do Congresso a ser convocada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Integrantes do governo têm buscado traçar a líderes parlamentares um cenário de dificuldade orçamentária que precisa ser considerado.

Deputados e senadores estão céticos em relação à disposição do Planalto de recuperar o valor cortado. Na avaliação deles, há chances de o ministro Fernando Haddad (Fazenda) fazer ainda mais cortes no Orçamento em pleno ano eleitoral.

As emendas, mesmo com o veto, somam R$ 47,5 bilhões. Se o Congresso derrubar o ato de Lula, esse valor retorna ao patamar de R$ 53 bilhões.

Leia também   Centenas de servidores da saúde do DF criam militância em apoio a Marli

Apesar das críticas sobre o alto volume desses recursos, líderes partidários e a cúpula da Câmara dizem que esse dinheiro é usado para financiar obras e projetos em municípios que precisam de recursos.

O dinheiro das emendas, porém, tem sido usado com critérios políticos, e não técnicos. Ou seja, a verba do governo federal é enviada a redutos de deputados e senadores, sem que ocorra necessariamente uma avaliação sobre a sua necessidade.

Os encontros com Lira sobre a retomada das atividades da Câmara também devem tratar da medida provisória editada por Haddad e que reonera a folha de pagamentos de setores da economia. Isso gerou fortes críticas entre deputados e senadores, que acusaram o ministro de insistir numa política que já tinha sido rejeitada em votação pelo Parlamento.

O Ministério da Fazenda tem resistido a abrir mão dessa medida. O titular da pasta chegou a conversar com aliados de Lira para tentar convencer o grupo a buscar uma saída que não seja a derrubada da proposta. Mas líderes dizem que a tendência ainda é contrária ao texto de Haddad.

Leia também   ELEIÇÕES 2022 | Celina Leão diz que Ibaneis é imbatível e que se reelegerá ao Buriti

Lira também estava fora de Brasília quando eclodiu a operação da Polícia Federal de quinta-feira (25), com mandados de busca e apreensão numa investigação sobre o suposto uso político da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) contra adversários políticos do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

O principal alvo da operação é o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), ex-diretor da Abin e pré-candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro.

Essa operação e autorização de busca e apreensão no gabinete do líder da oposição na Câmara, Carlos Jordy (PL-RJ) deram impulso para projetos que afetam diretamente o afetam diretamente o STF (Supremo Tribunal Federal), acusado por integrantes do centrão e da oposição de extrapolar suas prerrogativas.

Apesar de Lira corroborar, nos bastidores, essas críticas, pessoas próximas a ele têm dito que há chance de esses projetos não avançarem rapidamente, e sim serem usados como recado ao Supremo. Isso, contudo, depende das articulações entre a cúpula da Câmara e líderes nos próximos dias.

(Folha de São Paulo)

Read Previous

OMS alerta para aumento de casos de sarampo e reforça vacinação

Read Next

PF vê uso da ‘Abin paralela’ para Flávio e Jair Renan e agora mira Carlos Bolsonaro