• 20 de maio de 2022

Lewandowski autoriza novas diligências contra ministro Pazuello

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, autorizou nesta segunda-feira (15) novas diligências da Polícia Federal contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no inquérito que avalia as responsabilidades sobre o colapso da saúde em Manaus, capital do Amazonas.

Veja também:

Câmara pode votar nesta quinta MP que facilita compra de vacinas

Entre as autorizações, estão a busca por informações sobre os gastos na compra de cloroquina e hidroxicloroquina, que não tem eficácia comprovada contra a Covid-19, mas são promovidos para uso pelo governo, acesso a e-mails trocados entre a pasta e as secretarias de Saúde locais, e depoimentos com funcionários do Ministério da Saúde, do governo do Amazonas e da prefeitura da capital.

Pazuello é investigado por conta do colapso da saúde em Manaus, que provocou cenas desesperadas no início de janeiro por conta da falta de oxigênio hospitalar e da falta de leitos disponíveis nos hospitais. Foram dezenas de relatos de pacientes, com Covid-19 ou não, que faleceram por não conseguirem respirar.

Leia também   Presidente veta Lei Paulo Gustavo, que destinava recursos à cultura

A Procuradoria-Geral da República (PGR) ainda quer saber porque os representantes do Ministério da Saúde foram enviados para a capital amazonense apenas na primeira semana de 2021, sendo que o aumento exponencial de casos da doença já era de conhecimento na semana do Natal.

Outro ponto considerado crítico é que a fornecedora de oxigênio, a empresa White Martins, alertou em 8 de janeiro que não estava dando conta de entregar o item por causa da alta demanda e que não conseguiria fazer o fornecimento de maneira a suprir a necessidade. A pasta do governo federal, porém, só começou a enviar oxigênio para Manaus em 12 de janeiro.

Leia também   DF inicia dose de reforço e amplia antecipação de segunda dose da Pfizer

Dois dias depois, o Ministério ainda enviou mais de 120 mil unidades dos remédios cloroquina e hidroxicloroquina para o “tratamento precoce” da Covid-19, mesmo que, uma ano após o início da pandemia no mundo, não exista comprovação científica de qualquer benefício das drogas.

(Ansa – Brasil)

Read Previous

Endividamento das famílias bate novo recorde na pandemia

Read Next

GDF faz regularização de mais de 7 mil imóveis na capital