• 26 de setembro de 2021

Bolsonaro quer usar reserva da Petrobras para custear vale-gás

O presidente Jair Bolsonaro disse que a Petrobrastem uma reserva de R$ 3 bilhões para custear um programa vale-gás, que permitiria a compra de botijão de gás de cozinha para a população mais carente. “O novo presidente da Petrobras, o (Joaquim) Silva e Luna, está com uma reserva de R$ 3 bilhões para atender realmente esses mais necessitados. Seria o equivalente – o que está sendo estudado até agora – a um botijão de gás a cada dois meses”, informou o presidente em entrevista ao Programa do Ratinho, no SBT, na noite desta sexta-feira, 30.

Veja também

Flávia Arruda pede a Queiroga mais vacinas para conter a Delta no DF

Bolsonaro voltou a culpar os tributos estaduais pelos preços elevados do botijão de gás no País. “Eu zerei o imposto federal (do gás de cozinha). Não tem imposto federal, custa R$ 45,00 onde o gás é engarrafado. O restante é problema do ICMS, da margem de lucro de quem está vendendo e de frete”, afirmou.

Leia também   Caiado acaba com “indústria da multa”, em Goiás, que completa 2 anos e 7 meses sem radares móveis

Na última segunda-feira, 26, em entrevista à rádio Arapuan, da Paraíba, o presidente disse que o preço do botijão de gás para o consumidor final deveria ser de, no máximo, R$ 70. No entanto, praticamente a metade do valor do preço do botijão fica com a Petrobras, segundo dados da própria estatal.

O preço médio da revenda do gás de cozinha (13 quilos) no País foi de R$ 89,84 entre os dias 4 e 10 de julho. Do preço final, R$ 46,88 ficam com a Petrobras. Ainda de acordo com a empresa, há basicamente três componentes do preço do gás de cozinha: 48,9% representam a margem da estatal; 36,6% ficam com as distribuidoras (que fazem a aquisição, armazenamento, envasamento, transporte, comercialização e controle de qualidade) e os pontos de revenda; e 14,5% são impostos estaduais (ICMS).

Leia também   Bolsonaro descarta recriação do Ministério da Segurança Pública

A redução do preço do gás de cozinha é uma promessa de campanha de Bolsonaro que ainda não foi cumprida. Em agosto de 2019, o governo acabou com o subsídio do botijão de 13 quilos – havia desconto apenas para o envase, compensado por todos os outros tamanhos, que eram vendidos a preços mais altos. Por outro lado, neste ano, o governo decidiu zerar a cobrança de impostos sobre o botijão de forma permanente. Por meio de uma Medida Provisória já aprovada no Congresso e sancionada pela Presidência, o Executivo zerou as alíquotas de PIS e Cofins, que representavam 3% do preço final do botijão]

Leia também   Colikids: produto que promete parar a cólica do bebê funciona?

Para compensar a perda na arrecadação com essa medida, o governo aumentou o tributo sobre os bancos, colocou fim a um programa de incentivo à indústria petroquímica e limitou a compra de carros com isenção por pessoas com deficiência.

(Estadão Conteúdo)

Read Previous

DF vai receber mais de 200 mil doses de vacina neste sábado (31)

Read Next

Receita libera vacina em tempo recorde e vira case global da Pfizer