• 4 de março de 2024

Guerra no Oriente Médio completa 100 dias; combates seguem em Gaza

Tanques e aviões israelenses atingiram alvos no sul e no centro de Gaza neste domingo (14) e houve fortes tiroteios em algumas áreas. A guerra completa 100 dias desde o ataque de 7 de outubro contra Israel, liderado por homens armados do movimento islâmico Hamas.

Veja também

Cinco morrem em colisão entre aviões no Japão

As comunicações e os serviços de internet foram interrompidos pelo terceiro dia consecutivo, complicando o trabalho das equipes de emergência e de ambulâncias que tentam ajudar as pessoas nas áreas atingidas pelos combates.

Os tiroteios se concentraram na cidade de Khan Younis, ao sul, onde o Hamas disse que seus combatentes atingiram um tanque israelense, bem como em Al-Bureij e Al Maghazi, no centro de Gaza, onde os militares israelenses informaram que vários militantes foram mortos.

Leia também   Putin ameaça ‘medida recíproca’ caso Ucrânia use bombas de fragmentação

Os militares de Israel também disseram que suas forças destruíram vários locais usados pelo Hamas para disparar foguetes contra Israel.

Nas últimas 24 horas, o Ministério da Saúde de Gaza informou que 125 pessoas foram mortas e 265 ficaram feridas, elevando o número total confirmado de mortos desde o início da guerra para quase 24 mil, com mais de 60 mil feridos.

Falando por meio de um link de vídeo em uma conferência em Istambul, o líder do Hamas, Ismail Haniyeh, elogiou o ataque de 7 de outubro dos combatentes do grupo, que invadiram as comunidades israelenses ao redor da Faixa de Gaza, matando mais de 1.200 pessoas e fazendo cerca de 240 reféns, de acordo com os registros israelenses.

“Não estamos buscando guerras. Buscamos a liberdade”, disse ele, acrescentando que o ataque foi, em parte, uma resposta ao bloqueio israelense de anos à Faixa de Gaza, que o Hamas controla desde 2007.

Leia também   Aquecimento global: mudanças podem ser irreversíveis entre 2040 e 2050

As Forças Armadas israelenses afirmam que passaram para uma nova fase da guerra, com foco no extremo sul do território, onde quase 2 milhões de pessoas estão abrigadas em tendas e outras acomodações temporárias, após a fase inicial centrada no extremo norte, incluindo a Cidade de Gaza.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, rejeitou os apelos por um cessar-fogo, dizendo que Israel continuará até alcançar a vitória completa sobre o Hamas. Os militares afirmam, no entanto, que a próxima fase da guerra verá operações mais direcionadas contra os líderes e as posições militares do movimento.

Na fronteira norte de Israel com o Líbano, onde tem havido troca de tiros constante entre as tropas e os combatentes da milícia Hezbollah, apoiada pelo Irã, os militares disseram que mataram quatro militantes armados que tentavam atravessar a fronteira.

Leia também   Brasil e China criam coordenação sobre mudanças climáticas

O governo informou que vários mísseis antitanque foram disparados contra o norte de Israel, um dos quais atingiu uma casa na comunidade de Kfar Yuval, matando uma pessoa e deixando outras vítimas.

Em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, Nana, uma estudante do ensino médio de 17 anos, deslocada do norte de Gaza, disse que 100 dias de guerra viraram sua vida de cabeça para baixo.

“Exigimos que a ocupação não apenas acabe com a guerra, mas também uma indenização pelos danos psicológicos do deslocamento e pelas dificuldades sofridas”, afirmou.

(Reportagem adicional de Ari Rabinovitch em Jerusalém)

Read Previous

Cartão Material Escolar beneficiará 150 mil alunos da rede pública em 2024

Read Next

Melatonina não cura insônia e pode prejudicar a saúde se usada em excesso