• 3 de agosto de 2021

Caiado celebra autorização para importar vacinas Sputnik V

O governador Ronaldo Caiado celebrou a autorização, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), dada ao Governo do Estado para importação excepcional de 142 mil vacinas Sputnik V, produzidas pela Rússia. Goiás tornou-se um dos estados do Centro-Oeste a avançar na negociação de imunizante alternativo para a população.

“É uma vitória que divido com toda minha equipe da Secretaria da Saúde, após articulações que vinham de longa data”, disse, durante coletiva de imprensa, após vistoria da reforma e ampliação da Praça de Esportes do Setor Pedro Ludovico, em Goiânia.

O aval da agência foi divulgado nesta terça-feira (15/06). Caiado explicou que o Governo Federal está abrindo a Estados e empresários a possibilidade de aquisição, uma vez que o processo de vacinação avança, conforme as etapas estipuladas pelo Plano Nacional de Imunização.

O governador também respondeu sobre a eficácia dos imunizantes disponíveis. “Todas as vacinas que puderam ser levadas aos brasileiros foram autorizadas pela Anvisa. Não é uma pessoa, na tese do achismo, que vai determinar qual pode ou não ser tomada”, alertou. “A Anvisa dando a palavra final, Goiás já será beneficiado com a compra da vacina.”

Leia também   Bruna Marquezine prova a versatilidade da camiseta branca

Os imunizantes vão ser utilizados em 71 mil goianos com a primeira dose e o reforço, o que equivale a 1% da população. “Esse é o limite permitido pela agência para estados que pediram autorização. O importante é vacinar a nossa gente”, disse Caiado. “A Anvisa impõe regras que, enquanto não forem atendidas, não se pode falar em datas de recebimento das vacinas”, afirmou. Ele também disse que outras negociações estão em andamento, mas só adiantará detalhes quando munido de acertos concretos.

“Não lançamos factóides para criar expectativas na população. É preciso muita cautela com as especulações”, frisou o governador. Sobre o encontro ontem com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que veio a Goiânia, disse que todos os aspectos da pandemia fizeram parte da conversa. “Dentro do planejamento, segue aquela nossa previsão”, afirmou, sobre projeção de aplicar primeira dose das vacinas em toda população de Goiás acima de 18 anos até final do mês de setembro.

Leia também   Homem considerado o maior estuprador em série de Goiás é preso suspeito de 47 abusos

Autorização

O aval foi concedido pela maioria da Diretoria Colegiada da Anvisa, mediante condicionantes e assinatura de termo de compromisso para o deferimento do Licenciamento de Importação (LI) da vacina. “A maior parte das ressalvas depende da Rússia. Nós tramitamos ao mesmo tempo a autorização e a contratação. Com a decisão favorável, já estamos na fase de assinatura do contrato”, assegura o secretário de Estado da Saúde de Goiás, Ismael Alexandrino.

Entre as obrigações, estão a utilização da vacina apenas na imunização de indivíduos adultos com idade entre 18 e 60 anos, não sendo indicada para gestantes, puérperas, lactantes e indivíduos com comorbidades, entre outras deliberações.

Leia também   Educação com servidores prontos para a volta às aulas

Os lotes das imunobiológicos importados somente poderão ser destinados ao uso após análise laboratorial e liberação pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde.

Após o uso desse primeiro lote, do imunizante desenvolvido pelo Instituto Gamaleya da Rússia, a Anvisa avaliará os dados de monitoramento do uso da vacina, para decidir quanto aos próximos quantitativos a serem importados.

A Anvisa já tinha deliberado sobre pedidos anteriores de importação excepcional da vacina Sputnik V provenientes dos estados. Essa autorização tem regras diferentes das que valem para outras doses aplicadas no Brasil. Desta vez, além de Goiás, também conseguiram decisão favorável Rio Grande do Norte, Mato Grosso, Rondônia, Pará, Amapá e Paraíba.

(Secretaria de Comunicação do Governo de Goiás )

Read Previous

Muito além das cáries: entenda como o açúcar pode prejudicar sua saúde oral

Read Next

Bolsonaro avalia acabar com abono salarial para elevar Bolsa Família