• 20/07/2024

Ar-condicionado ou climatizador? Como escolher a melhor opção para amenizar o calor

Uma das maneiras de enfrentar a onda de calor extremo dos últimos dias é recorrer a equipamentos que refrescam o ambiente. Ar-condicionados e climatizadores são opções para manter a temperatura amena, mas têm funções, potências e preços diferentes.

Veja também

Calor intenso pode se tornar o ‘novo normal’ no Brasil?

Enquanto o primeiro é eficaz em retirar calor de grandes espaços, o segundo utiliza água para refrescar e ventilar o cômodo e tem preço mais acessível. Ambos servem como alternativa ao ventilador, que apenas movimenta o ar.

“Ele ajuda a remover o calor da superfície de nossos corpos, mas efetivamente não resfria o ambiente”, afirma René Teixeira, doutor em Engenharia Elétrica e coordenador na FMU (Faculdade Metropolitana Unidas).

AR-CONDICIONADO COMUM

Indicado para reduzir a temperatura em ambientes com pouca ventilação, o ar-condicionado funciona circulando um líquido refrigerante dentro de seu sistema. A expansão e contração deste líquido retira calor do ambiente.

É a opção mais cara e com maior gasto de energia, ainda assim, é o único que efetivamente resfria e baixa a temperatura do ambiente. Os mais utilizados são do tipo split, com uma parte dentro e outra fora da casa, tendo a vantagem de não ser tão barulhento. Há também os portáteis, com eficiência menor e consumo maior.

Leia também   Avião da FAB leva 20 toneladas de ração para pets do RS

São oferecidos em versões 220v e 127v. “Devido à alta demanda energética, utilizam plugues com pinos mais grossos, para 20 amperes. Não se deve usar adaptadores para pinos mais finos, pois certamente haverá um acidente”, diz Teixeira.

AR-CONDICIONADO PORTÁTIL

Todo aparelho do tipo é dividido em duas partes. A condensadora, a unidade barulhenta, que fica fora do ambiente, e o evaporador, que fica dentro, liberando ar frio. No caso do portátil, estes dois compartimentos ficam numa única caixa, tornando-o bastante barulhento.

Apesar de ter rodinha, é pesado e precisa de um grosso tubo plástico para conectar o aparelho a um ambiente externo para dar vazão ao calor gerado. O tubo costuma ser conectado a uma janela, o que pode trazer problemas de instalação e prejudicar a refrigeração do ambiente por falta de vedação do espaço.

Outro ponto a ser avaliado é a formação de água no reservatório, o que exige seu esvaziamento, por meio de uma torneira. Em alguns modelos é preciso retirar a cada dois dias; os mais sofisticados aguentam semanas.

Ainda assim, o portátil é uma boa alternativa para locais com paredes de drywall ou prédios e condomínios que não permitem a instalação na fachada.

CLIMATIZADOR

O aparelho funciona como um ventilador, com hélices que fazem o ar circular, mas tem componentes extras, que ajudam a umidificar o ambiente e reduzir a sensação térmica. Ele vem com um aspersor (borrifador) de água e com osciladores ultrassônicos, responsáveis por soltar uma névoa.

Leia também   Inscrições abertas! Curso de capacitação de Defensoras e Defensores Populares do DF conta com a participação de diversos parceiros e começa em novembro

O climatizador tem preço mais em conta e melhora a qualidade do ar, deixando-o mais úmido. Funciona melhor em condições de tempo seco. “Nestas situações e em sistemas mais potentes, podemos reduzir a temperatura em até 10°C”, afirma o engenheiro.

Para maior efeito umidificador, prefira as janelas fechadas. Com as janelas abertas, a troca de calor e de umidade com o ambiente externo aumenta, e ele pode ser menos eficiente. “Ele pode ser bastante agradável para um uso mais direcionado.”

VENTILADOR

Opção mais comum e barata, o ventilador funciona com um motor elétrico conectado a hélices. Ele circular o ar, mas não baixa a temperatura.

De teto ou de superfície, com modelos sem hélices —estes com preço alto e eficiência menor— os ventiladores consomem de 55 a 150 watts de energia por hora. Quanto maior a potência, maior a quantidade de ar circulando no ambiente. Contudo, o preço na conta de energia será maior.

Para ambientes amplos, a melhor opção são os de teto. Já para direcionar o ar para um local específico, como uma mesa, os de superfícies são mais indicados.

Leia também   Brasil tem 12,2 pessoas sem trabalho, segundo IBGE

“Alguns possuem inclusive um aspersor de água, que ajuda a melhorar a sensação térmica do ambiente, o que os aproxima de um climatizador”, diz Teixeira.

No momento de escolher o aparelho, é preciso avaliar o impacto no sistema respiratório. Para que a troca gasosa no pulmão seja adequada, o ar tem que estar na temperatura corporal, que é de 36°C.

“Esse calor todo é adquirido no trajeto entre o nariz e os alvéolos pulmonares. Nesse caminho, existem mecanismos para adequar a temperatura do ar, sua umidade e filtragem de impurezas”, diz o médico Rodrigo Pereira, vice-presidente da Academia Brasileira de Otorrinolaringologia Pediátrica.

Mudanças bruscas ou uma refrigeração extrema ressecam o ambiente e exigem mais do sistema respiratório, piorando casos de rinite e asma.

Ar-condicionado é o que mais resseca, deixando o clima frio e seco. Para evitar o problema, não deixe o aparelho chegar aos extremos de temperatura. “Em um calor de 35°C não vá colocar o ar-condicionado a 17°C, mas a 23°C”, orienta Pereira.

Ventiladores são os que causam menos impacto, avalia o otorrino, pois apenas refrescam levemente o ar. Climatizadores geram menos ressecamento, mas é preciso cuidado com aqueles que pedem água ou gelo, pois se estiverem contaminados podem transmitir agentes nocivos ao ambiente.

(Folha de São Paulo)

Read Previous

Dicas para escolher o biquíni ou o maiô ideal

Read Next

7 dicas para proteger as crianças durante as ondas de calor