• 20/06/2024

Alunos do ensino médio podem consultar programa de bolsas a partir desta quarta (20)

A partir desta quarta-feira (20), estudantes matriculados na rede pública de ensino poderão consultar se estão contemplados pelo Pé-de-Meia, programa federal que vai pagar bolsas e uma poupança para manter alunos pobres no ensino médio, além de um bônus para quem fizer o Enem.

Segundo o MEC (Ministério da Educação), a confirmação deve ser feita pelo aplicativo Jornada do Estudante.

O aluno encontrará no aplicativo informações como parcelas de matrícula; calendário de pagamento; identificação de competência da parcela e valor; informações bancárias onde a parcela foi depositada. Para os casos de rejeição do pagamento, o aplicativo informará o motivo da rejeição e apresentará orientações ao estudante para a solução.

A Escola Estadual Padre Saboia de Medeiros, que possui 123 alunos no ensino médio, na Chácara Santo Antonio, zona sul da cidade
Estudantes de ensino médio da Escola Estadual Padre Saboia de Medeiros, na Chácara Santo Antonio, zona sul de São Paulo – Bruno Santos – 12.ago.22/Folhapress

No entanto, o ministério alerta que essa primeira lista não é a definitiva. Assim, quem não estiver neste primeiro momento entre os beneficiários precisa seguir conferindo o aplicativo. Isso porque, de acordo com o MEC, as informações do sistema estão sendo atualizadas pelas redes de ensino municipais, estaduais e do Distrito Federal, o que poderá resultar na inclusão de novos estudantes durante o ano letivo.

O MEC destaca ainda que o incentivo-matrícula será pago apenas uma vez ao ano, ainda que o estudante realize transferência entre escolas ou redes de ensino no mesmo ano letivo. Além disso, o aluno que cursar novamente a série que tiver abandonado ou aquela na qual tiver sido reprovado terá direito ao incentivo da respectiva série apenas mais uma vez durante seu período de permanência no ensino médio.

Leia também   MEC quer retomar oferta de vagas não preenchidas no Fies

Veja os principais detalhes do programa.

QUAIS OS VALORES DEFINIDOS PELO GOVERNO?

No total, o programa prevê um valor total de R$ 9.200 ao longo dos três anos. Eles são divididos da seguinte forma:

  • Parcela única de R$ 200 de incentivo-matrícula no início de cada ano;
  • Nove parcelas de R$ 200 mensais de incentivo-frequência nos três anos;
  • Incentivo de R$ 200 em parcela única para os estudantes que fizerem o Enem ao fim do ensino médio, no terceiro ano;
  • Incentivo-conclusão no valor de R$ 1.000 a cada ano. Esses valores só poderão ser sacados ao fim de todo o ensino médio.

COMO O PAGAMENTO SERÁ FEITO?

O governo abrirá uma conta da Caixa Econômica Federal para cada aluno beneficiário, por meio da qual os pagamentos serão realizados.

QUEM SERÁ ELEGÍVEL AO PROGRAMA PÉ DE MEIA?

Os incentivos para permanência estudantil no ensino médio são voltados para estudantes pobres de famílias inscritas no CadÚnico, cadastro federal usado para programas sociais, como o Bolsa Família.

Leia também   Prazo para solicitar reaplicação do Enem termina nesta sexta-feira

O governo estima que 2,5 milhões de estudantes sejam atingidos.

A faixa etária compreendida é de 14 a 24 anos, que estejam no ensino médio, inclusive os estudantes do EJA (Educação de Jovens e Adultos). Estudantes cadastrados como família unipessoal no Bolsa Família não terão o direito.

QUAIS SÃO AS CONDIÇÕES PARA QUE OS ESTUDANTES RECEBAM OS BENEFÍCIOS?

Incentivo-frequência:

  • Frequência escolar mínima de 80% de horas letivas

Incentivo-conclusão (poupança):

  • Aprovação ao final do ano
  • Participação em exames federais, como o Saeb e Encceja, e também de exames aplicados pelos estados, quando for o caso

Bônus do Enem:

  • Participação comprovada no exame (pagamento será feito uma só vez)
  • Obtenção de certificado de conclusão do ensino médio

EM QUAIS HIPÓTESES HAVERÁ DESLIGAMENTO DE ESTUDANTES?

  • Saída dos estudantes do Bolsa Família
  • Abandono de estudos
  • Reprovação por duas vezes consecutivas
  • Situação comprovada de fraude ou irregularidade
  • Pedido para sair do programa
  • Falecimento

O QUE ACONTECE COM O DINHEIRO SE O ALUNO SAIR DO PROGRAMA?

Caso o estudante perca os requisitos de elegibilidade, o estudante poderá requerer o saque, após a conclusão do ensino médio, do incentivo de conclusão já depositados no prazo de quatro anos.

COMO SERÁ A FISCALIZAÇÃO?

Os sistemas de ensino com ensino médio prestarão as informações necessárias à execução do programa, a fim de possibilitar o acesso dos estudantes matriculados ao incentivo financeiro-educacional, o controle e a participação social no acompanhamento.

Leia também   Olimpíada de Matemática tem recorde de escolas e municípios inscritos

O decreto prevê a criação de um Comitê Gestor, como participação do Ministério da Educação, Casa Civil da Presidência da República e Ministério da Fazenda.

QUAL ORÇAMENTO PREVISTO PARA O PROGRAMA?

Houve a criação de um fundo privado com aporte federal previsto de até R$ 20 bilhões. Para 2024, o governo tem um orçamento de R$ 7 bilhões —sendo que R$ 6 bilhões já integram o fundo a partir de liberação e execução no orçamento de 2023. A previsão é de um orçamento também de R$ 7 bilhões para os próximos anos.

QUAIS SÃO OS OBJETIVOS DO PROGRAMA?

O objetivo principal é reduzir a evasão e abandono escolar. Segundo dados do MEC, 8,8% dos alunos deixam a escola já no 1º ano do ensino médio. São 480 mil estudantes a cada ano abandonando o ensino médio.

Entre os objetivos escritos no decreto, estão: democratizar o acesso dos jovens ao ensino médio e estimular a sua permanência nele, mitigar os efeitos das desigualdades sociais na permanência e na conclusão do ensino médio, reduzir as taxas de retenção, abandono e evasão escolar, contribuir para a promoção da inclusão social pela educação, promover o desenvolvimento humano, com atuação sobre determinantes estruturais da pobreza extrema e de sua reprodução intergeracional e estimular a mobilidade social.

(Folha de São Paulo)

Read Previous

C-Move Brasília: Celina Leão assume compromisso com a mobilidade elétrica no DF

Read Next

Justiça concede liberdade a Daniel Alves com fiança de R$ 5,5 milhões