• 4 de março de 2024

Governo lança edital para abertura de 5.700 vagas em cursos privados de medicina

O governo federal vai lançar um edital de autorização de funcionamento de cursos privados de medicina com previsão de abertura de até 5.700 vagas.

O chamamento público permite que mantenedoras de instituições educacionais privadas apresentem projetos de instalação de novos cursos em regiões pré-selecionadas de 23 estados. O edital deve ser publicado nesta quarta-feira (4) no Diário Oficial da União.

O texto se baseia em diretrizes da lei do programa Mais Médicos. A ideia é aumentar a formação de profissionais de saúde em regiões desassistidas.

Cada mantenedora poderá apresentar no máximo duas propostas.

O plano do governo é abrir, nos próximos anos, até 10 mil novas vagas. Esse número inclui a previsão de expansão de cursos já existentes em universidades privadas e públicas.

Leia também   Enem 2021 tem 3,1 milhões de inscrições confirmadas

O edital prevê a apresentação de propostas para instalação de cursos em 116 regiões de saúde, que abrigam mais de 1.700 municípios.

O edital apresentado nesta quarta-feira (4) contempla apenas a criação de novos cursos, segundo o MEC.

Dados apresentados pela Educação mostram que em 2022 o Sudeste concentrava 150 cursos e 18.324 vagas de medicina, equivalente a 43,8% do total no país. O governo estima que há mais de 40 mil vagas em cursos de medicina.

O lançamento também marca a retomada de chamamentos públicos para abertura de cursos. Esse sistema havia sido interrompido em 2018, último ano do governo Michel Temer (MDB), que decidiu impedir a abertura de novos cursos por cinco anos.

Durante esse período de trava, no entanto, houve uma explosão de decisões judiciais que obrigaram o MEC (Ministério da Educação) a dar continuidade a procedimentos de abertura de curso. Escritórios de advocacia passaram a se especializar em conseguir essas liminares.

Leia também   Biscoito é vilão da merenda não saudável na escola, mostra estudo

Os ministros da Educação, Camilo Santana (PT), e da Saúde, Nísia Trindade, apresentaram trechos do edital nesta quarta-feira (4).

“A interiorização de cursos com residência é aspecto fundamental para fixação de médicos”, disse a Nísia.

O governo afirma que o edital vai incentivar a desconcentração da formação médica. “Privilegiando cursos inclusivos e que favoreçam a fixação dos formandos em áreas mais carentes de médicos”, afirma nota do MEC.

“Terá pontuação maior aquele curso que ofertar residência médica”, destacou o ministro da Educação.

No dia 7 de agosto, o ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou que os novos cursos devem se basear nas regras do programa Mais Médicos, de 2013, seguindo o modelo de chamamentos públicos. A decisão liminar ainda será chancelada ou não pelos ministros do STF.

“Essa moratória [imposta no governo Temer] teve efeito contrário. Houve expansão desordenada de cursos de medicina, em localidades que já contavam com cursos. Ausência de critério regulatório e a moratória tiveram efeito contrário ao esperado”, disse Felipe Proenço de Oliveira, diretor de programa da Secretaria de Atenção Primária à Saúde.

Leia também   Convocação de candidatos do Fies termina nesta quinta-feira

ONDE ESTÃO AS NOVAS VAGAS
Edital permite propostas de novos cursos particulares em 23 estados

  • Alagoas: 120 vagas
  • Amazonas: 120 vagas
  • Amapá: 60 vagas
  • Bahia: 900 vagas
  • Ceará: 600 vagas
  • Espírito Santo: 60 vagas
  • Goiás: 120 vagas
  • Maranhão: 540 vagas
  • Minas Gerais: 120 vagas
  • Mato Grosso do Sul: 60 vagas
  • Mato Grosso: 60 vagas
  • Pará: 660 vagas
  • Paraíba: 60 vagas
  • Pernambuco: 420 vagas
  • Piauí: 180 vagas
  • Paraná: 250 vagas
  • Rio de Janeiro: 60 vagas
  • Rio Grande do Norte: 120 vagas
  • Rondônia: 60 vagas
  • Roraima: 60 vagas
  • Rio Grande do Sul: 240 vagas
  • Santa Catarina: 60 vagas
  • São Paulo: 780 vagas

Fonte: Ministério da Educação

Read Previous

Pesquisas apontam que o ato de treinar é uma forma eficaz de prevenir o suicídio

Read Next

A um mês do Enem, professores dão dicas de preparação na reta final