• 22 de janeiro de 2022

BRB dá a volta por cima sob o comando de Paulo Henrique Costa

Poucos executivos brasileiros se arriscariam a encarar o desafio de recuperar um banco público praticamente falido como o atual presidente do Banco de Brasília (BRB), Paulo Henrique Costa. O administrador de empresas, nascido em Pernambuco, conseguiu nesses últimos três anos resgatar a imagem do banco e reposicionar o BRB no mercado financeiro.

Veja também

BRB e AMERICANET firmam parceria negocial para oferta de produtos financeiros

Desde que assumiu o BRB em fevereiro de 2019, Paulo Henrique vem demonstrando competência e comprometimento com o que lhe foi pedido pelo governador Ibaneis Rocha, do MDB.

A primeira missão do então novo presidente, quem sabe uma das mais difíceis, foi tirar o nome do banco das páginas policiais. Paulo Henrique Costa se sentou na cadeira dias após a operação deflagrada pela Polícia Federal que investigava uma série de crimes praticados pelo ex-presidente e ex-diretores do BRB durante o governo Rollemberg como o recebimento de propina, lavagem de dinheiro, corrupção, entre outros praticados contra o sistema financeiro.

Leia também   Aulas começam em 14 de fevereiro de 2022

Na época da operação, Ibaneis Rocha, que não tinha completado nem um mês no cargo de governador do DF, declarou à imprensa que ‘’o BRB é um banco de Brasília e nós vamos devolver ele para a sociedade”.

Com o tempo, Paulo Henrique e sua equipe foram mostrando suas credenciais. Aos poucos, eles foram promovendo um choque de gestão no BRB até então nunca visto na história da instituição que carrega o nome da capital do País.

As mudanças apresentaram resultados surpreendentes para uma instituição que estava à beira da falência. Hoje, o BRB é visto com outros olhos pelo mercado financeiro. O banco passou a ter credibilidade e é um dos mais fortes entre todas as instituições bancárias que são mantidas pelo poder público.

Paulo Henrique Costa empregou um modelo de gestão voltado para a população do DF e estabeleceu metas que elevaram o BRB a outro patamar, como a sua modernização e a ampliação de sua atuação além das fronteiras do DF e Entorno.

Leia também   Micro e pequenas empresas geraram 75% dos empregos formais em janeiro

O BRB passou a atuar como entidade financiadora das ações sociais do GDF contribuindo para que as famílias de baixa renda pudessem ser assistidas, principalmente, a partir do surgimento da pandemia em 2020. No ano passado, o banco movimentou mais de R$ 270 milhões por meio dos programas sociais.

Além dessa visão voltada para a área social, o BRB de Paulo Henrique deu mais atenção aos seus servidores (a quem passou a tratar como colaboradores), ao setor produtivo que teve mais acesso às linhas de créditos e ajudou a financiar o sonho da casa própria de milhares de família do DF.

Outro destaque da gestão de Paulo Henrique Costa foram as parcerias estabelecidas. Hoje, o BRB possui um banco digital em parceira com o maior clube de futebol do Brasil, o Flamengo, levando a instituição a ter uma carteira de mais de 3 milhões de clientes.

Leia também   Como ensinar os pequenos a cuidar da boca desde cedo

O banco também ampliou sua carteira de clientes atendendo órgãos públicos e empresas privadas de outros estados, aumentando a sua visibilidade e área de atuação pelo País.

Com isso, o BRB fechou 2021 com lucro de R$ 433 milhões registrando um crescimento de 38,1% em relação ao mesmo período de 2020.

Hoje, o BRB é reconhecido por toda a sociedade brasiliense como uma instituição financeira mais do que necessária para a economia do DF. Sob a batuta de Paulo Henrique, o banco não só recuperou a sua imagem como passou a ser referência para as outras instituições bancárias.

O BRB de Paulo Henrique Costa se tornou um dos principais pilares do governo Ibaneis. De fato, o que fora prometido pelo governador no começo de 2019 está se concretizando. O BRB voltou a ser de Brasília e de sua população graças ao empenho e ao árduo trabalho de Paulo Henrique e todos os colaboradores do banco.

Foto: José Fernando Vilela/Expressão Brasiliense

Read Previous

Moro: Brasil está entrando em espiral negativa de perspectivas econômicas

Read Next

Se pudesse, ficaria livre da Petrobras, diz Bolsonaro