• 14/06/2024

Último dia para se inscrever no QualificaDF

Os interessados em se qualificar para o mercado de trabalho por meio do programa de formação profissional QualificaDF têm até esta quinta-feira (28) para garantir a inscrição. São oito mil vagas disponíveis.

Veja também

Durante o fim de semana, a fiscalização autuou 267 condutores que estavam alcoolizados

O início das atividades formativas está programado para 9 de outubro. Para se inscrever, basta entrar no site da Sedet, preencher as informações socioeconômicas levadas em consideração, selecionar a área de interesse e comprovar ser morador do DF.

O QualificaDF oferece uma extensa gama de 40 cursos baseados nas profissões que mais contratam na capital federal. São 240 horas/aula, que totalizam um período de três meses de formação, divididas em dois módulos: o introdutório ao mercado de trabalho, com as matérias mais básicas, como português, matemática e direito do trabalho; e o módulo específico, voltado para a área em que o aluno quer atuar. Nesse momento, as aulas serão teóricas e práticas.

Leia também   Redução de 51% das mortes no trânsito marca 15 anos da Lei Seca

Os cursos abrangem diversos setores, como formação em eletricista predial, garçom, barman, barista, manutenção de equipamento de informática, estética facial e corporal com massagem terapêutica e assistente administrativo. Confira aqui a lista completa de cursos, bem como os horários e número de vagas.

Entre as atividades mais procuradas estão cuidador e atendente de pet shop, sushiman, cuidador de idoso, atendente administrativo, maquiagem e design de sobrancelha e a área da beleza no geral.

Os cursos são 100% gratuitos, desde a inscrição até a formatura. Todo o material didático e de aulas práticas é fornecido aos alunos, que também recebem uma declaração para conseguir o passe livre junto ao BRB Mobilidade.

Leia também   DF tem mais de 35 mil profissionais qualificados em programas do governo

De acordo com Priscila Silva, coordenadora da Praxis, empresa responsável pelos cursos do QualificaDF, a secretaria percebeu que faltava mão de obra qualificada. “A gente bate sempre na tecla que existem vagas de emprego no DF; o que falta é mão de obra qualificada. Cerca de três, quatro meses depois que eles finalizam o curso, já estão empregados na área de formação – qualificados, não necessariamente experientes. Aprendem na prática e saem prontos para o mercado de trabalho. A qualificação profissional é muito bem-vista hoje”, afirma a coordenadora.

Leia também   Detran interdita faixa de rolamento no Centro de Taguatinga

Mudança de realidade

São ofertados 40 cursos, entre os quais eletricista predial, garçom, barman, barista, manutenção de equipamento de informática, assistente administrativo | Foto: Renato Alves/Agência Brasília

Ellayne Cristine de Sousa Santana, 38 anos, atualmente é professora no QualificaDF de maquiagem e design de sobrancelha. A profissional trabalha com maquiagem desde 2016 e viu no programa uma oportunidade de se aprimorar. Também formada pelo QualificaDF em 2022, Ellayne fala do diferencial do curso frente ao mercado de trabalho e comenta que, quando finaliza o curso, consegue enxergar verdadeiros profissionais.

“Pensei que seria um curso de automaquiagem, não um tão completo como o do Qualifica, para se tornar um profissional mesmo. O profissional que está lá faz muito essa diferença por saber te direcionar para o mercado de trabalho, e te passa segurança e incentivo. Eu precisava achar um curso profissionalizante para me diferenciar, e eles me deram esse diferencial. É a realização de um sonho: eu sempre quis viver da maquiagem. Hoje, com esforço e dedicação, vivo disso”, relata a maquiadora.

Para o técnico de manutenção Francisco Ruan Torres da Silva, 27, o curso foi um marco. Ele conheceu o QualificaDF quando avistou os alunos uniformizados enquanto passava na rua. Ao saber dos cursos gratuitos, logo se interessou e se inscreveu. Sua primeira capacitação foi a de elétrica, em 2022. Depois, fez a de refrigeração e a de bombeiro hidráulico. O jovem também tem interesse em fazer o curso de instalação de câmeras.

“Não sabia nada. Foi um pontapé inicial, porque trabalhava como atendente de restaurante, depois migrei para a parte de manutenção e ganho mais agora. Caso eu saia, posso conseguir emprego nessa área, porque agora realmente tenho uma profissão. Foi um divisor de águas. Tem que continuar esse projeto [QualificaDF], que está mudando a realidade de muita gente”, observa Francisco.

(Agência Brasília)

Read Previous

Um medicamento inovador simula os efeitos do exercício físico e auxilia na perda de peso

Read Next

Receita paga nesta sexta-feira último lote de restituição do IR