• 14/06/2024

Apple vai reforçar segurança de dados para proteger iPhones contra roubos

Apple vai adicionar um recurso aos iPhones para impedir que ladrões tenham acesso a dados críticos do dispositivo caso saibam a senha de acesso do usuário.

Veja também

Chuva de meteoros terá até 120 ‘estrelas cadentes’ por hora no Brasil: como e onde será possível ver o fenômeno

Nesta terça-feira (12), a empresa lançou a primeira versão beta do iOS 17.3, que inclui um recurso chamado Stolen Device Protection (Proteção de Dispositivo Roubado, em português).

A atualização exigirá o uso do Face ID ou Touch ID, sem opção de usar o código de acesso, para acessar senhas armazenadas, alterar as configurações do ID Apple, visualizar informações de pagamento e desativar o recurso Buscar iPhone.

iPhone 15, lançado pela Apple em setembro deste ano
iPhone 15, lançado pela Apple em setembro deste ano – Patrick T. Fallon – 22.set.2023/AFP

Em alguns casos, ladrões conseguiram acessar dados pessoais nos iPhones, roubar dinheiro e perturbar a vida digital de uma pessoa ao saber o código de acesso do dispositivo.

Ao exigir o uso do Face ID ou Touch ID para acessar partes críticas do iPhone, um ladrão não seria capaz de causar tanto dano.

Leia também   Moderna diz que 3ª dose de sua vacina aumentou proteção contra Ômicron

Em particular, seria mais difícil apagar o dispositivo e revendê-lo. A Apple não informou quando o novo recurso será disponibilizado para todos os clientes, mas a empresa planeja lançar o iOS 17.3 publicamente no início do próximo ano.

“À medida que as ameaças aos dispositivos dos usuários continuam a evoluir, trabalhamos incansavelmente para desenvolver novas proteções poderosas para nossos usuários e seus dados”, disse a Apple em comunicado.

“Nos casos raros em que um ladrão pode observar o usuário digitando o código de acesso e, em seguida, roubar o dispositivo, a Proteção de Dispositivo Roubado adiciona uma nova camada sofisticada de proteção.”

Leia também   CoronaVac é 86,4% eficaz para prevenir mortes por covid-19, mostra estudo

O aprimoramento também adicionará um período de uma hora e exigirá uma segunda verificação do Face ID ou Touch ID para as tarefas mais sensíveis, incluindo a alteração da senha do ID Apple, desativação do recurso de Proteção de Dispositivo Roubado, criação de um novo código de acesso e desativação do Touch ID ou Face ID.

No entanto, não haverá atraso se os usuários estiverem em um local conhecido, como sua casa ou trabalho.

(Folha de São Paulo)

Read Previous

Entenda a proposta de concessão da Rodoviária do Plano Piloto

Read Next

PIS/Pasep 2024 começa a ser pago em 15 de fevereiro