• 21/06/2024

Lira confirma a jornal que PP é parte da base de Lula na Câmara e que centrão terá cargos

Depois do acordo firmado para o presidente Lula (PT) conceder dois ministérios ao PP e Republicanos, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou em  entrevista ao jornal Folha de S.Paulo que, as bancadas dessas legendas na Casa agora integram a base de apoio ao governo.

Bolsonaro deixa hospital após cirurgias para correção de hérnia de hiato e desvio de septo

Além disso, Lira também mencionou que a Caixa Econômica está envolvida nas negociações com o governo e reconheceu que as indicações políticas para as 12 vice-presidências do banco passarão por ele.

“Há uma aproximação de partidos de centro que não faziam parte da base do governo para essa adesão. É claro que, quando um partido indica um ministro que era líder de um partido na Câmara [caso de André Fufuca, do PP, que virou ministro do Esporte], a tendência natural é que esse partido passe a ser base de apoio ao governo na Câmara dos Deputados, como Republicanos, como outros partidos”, disse.

Lira declarou que o PP na Câmara agora faz parte da base de apoio de Lula, mesmo que o presidente do partido, o senador Ciro Nogueira, do Piauí, defenda a oposição ao governo.

No entanto, Lira afirmou que não é possível garantir que todos os 49 deputados do PP votem de acordo com os interesses do Palácio do Planalto. “Não [é possível], porque nenhum partido dá todos os votos. Mas eu acredito em uma base tranquila”.

Leia também   Bolsonaro apresenta ótima evolução clínica, diz equipe médica

Com a inclusão do PP e do Republicanos no alto escalão do governo, o presidente da Câmara acredita que a base de apoio ao presidente petista na Casa alcance entre 340 e 350 votos, o que seria suficiente para a aprovação de propostas de emenda à Constituição (PEC).

“O acordo foi mais amplo, envolve outros partidos, envolve outras composições, tem parte do PL que quer fazer parte e já vota com o governo”, mencionou ele.

Lira refuta a ideia de que as negociações realizadas nos últimos meses tenham sido motivadas por fisiologismo.

“Eu sempre combati isso [presidencialismo de coalizão]. Mas essa é a maneira escolhida pelo governo que foi eleito democraticamente. O presidente Lula escolheu essa maneira de formar sua base, trazendo os partidos para ocupar espaço na Esplanada dos Ministérios”.

Ele afirmou que esse acordo político com o PP e o Republicanos tem o mesmo princípio do acordo feito no início do governo, que concedeu ministérios ao PSD, União Brasil e MDB.

Leia também   Senado aprova isenção de IPVA para carros com mais de 20 anos

“Não há diferença entre PP, Republicanos, PSD, União Brasil, enfim, todos esses partidos que não fizeram parte da base de apoio da eleição do presidente Lula. [Alguns] aderiram num primeiro momento e outros aderiram agora, numa composição.”

Lira negou a existência de ruídos devido à demora na conclusão da reforma ministerial ou críticas de parlamentares em relação à condução do processo pelo ministro Alexandre Padilha (Relações Institucionais).

“Eu não ouvi isso. Na realidade, não é o ministro Padilha quem dá o ok. Ele serve de interlocutor. O tempo é o tempo do governo. Aquela cadeira não é fácil.”

O presidente da Câmara deixou claro que ainda há uma parte do acordo a ser cumprida.

Lira afirmou que a Caixa Econômica Federal terá indicações políticas, reconhecendo que as nomeações passarão por ele. No entanto, a intenção é contemplar não apenas o PP, mas também outros partidos do centrão, grupo político ligado a Lira, como União Brasil, Republicanos e até mesmo parte do PL.

Outra parte do acordo que ainda precisa ser efetivada é que o Republicanos ficará com os cargos da Funasa (Fundação Nacional de Saúde), que foi recriada por decisão do Congresso.

Lira também mencionou que, a partir do próximo ano, o modelo de distribuição de emendas parlamentares terá que ser alterado, devolvendo ao Congresso um poder maior na gestão desses recursos e ampliando as emendas de bancada ou de comissão.

Leia também   Pazuello espera vacinar 170 milhões de brasileiros até o fim deste ano

“Penso que nós temos que evoluir, seja com emendas de bancada obrigatórias, emendas de comissão obrigatórias, ou as individuais para que a política pública siga para o que ela se destina. Eu sempre defendi emenda parlamentar e continuarei defendendo, porque ninguém conhece mais o Brasil do que o parlamentar.”

Lira afirmou que o episódio em que o ministro Fernando Haddad (Fazenda) disse que a Câmara está com muito poder está superado. Na entrevista, o presidente da Câmara não descartou a possibilidade de os deputados apoiarem o plano de déficit zero proposto por Haddad, desde que sejam tomadas as medidas necessárias.

Além disso, Lira afirmou que mantém uma boa relação com Alexandre Padilha, apesar dos desafios enfrentados na articulação política do governo.

Com informações Folha de São Paulo

Read Previous

Economia Governo prevê recuperar R$ 46 bilhões inscritos na dívida ativa

Read Next

Entenda os novos critérios de classificação da fila por vagas em creches