• 14/06/2024

Papa pede que seja permitido o envio de ajuda humanitária a Gaza

O Papa Francisco pediu neste domingo (9) que seja permitido o envio de ajuda humanitária a Gaza, apelando para que a comunidade internacional tome medidas urgentes para ajudar a população no enclave palestiniano.

“Encorajo a comunidade internacional a agir urgentemente por todos os meios para ajudar o povo de Gaza, devastado pela guerra”, disse Francisco durante a oração do Angelus, na Praça de São Pedro, no Vaticano.

“A ajuda humanitária deve poder chegar a quem dela precisa e ninguém a pode impedir”, acrescentou o Papa, após oito meses de escassez de alimentos, água, medicamentos e suprimentos básicos que afetam o enclave palestiniano devido às restrições de acesso impostas por Israel.

Leia também   EUA vão aceitar CoronaVac para entrada de visitantes estrangeiros

Francisco reiterou o apoio “às negociações em curso entre as partes” para chegar a um cessar-fogo na guerra entre Israel e o Hamas que já dura oito meses.

“Espero que as propostas de paz para um cessar-fogo em todas as frentes e para a libertação dos reféns sejam aceites imediatamente para o bem dos palestinianos e dos israelitas”, disse.

O papa mencionou que na próxima terça-feira (11) “será realizada na Jordânia uma conferência internacional sobre a situação humanitária em Gaza” e agradeceu à Jordânia, ao Egito e à Organização das Nações Unidas (ONU) por tomarem esta iniciativa.

Leia também   EUA: casos de covid caem 6% ante semana anterior, mas mortes sobem 20,9%

Francisco fez referência ao encontro no Vaticano ocorrido há uma década – que foi assinalado essa semana – entre o então Presidente israelita, Shimon Peres, e o ainda presidente palestiniano, Mahmoud Abbas.

Segundo o Papa, esse encontro mostrou que “é possível apertar a mão e que para fazer a paz é preciso coragem, muito mais coragem do que para fazer a guerra”.

Francisco também pediu que as pessoas não se esquecessem “do povo ucraniano martirizado, que quanto mais sofre, mais anseia pela paz”, e fez ainda referência à situação em Myanmar (ex-Birmânia), em que grupos minoritários enfrentam a repressão do Governo da junta militar.

Leia também   Com hospitais lotados, Suíça pressiona população a se vacinar contra covid

(Lusa)

 

Read Previous

Rotary Club de Brasilia agradece parceiros que ajudaram da campanha de arrecadação de doações para vitimas das enchentes no Sul

Read Next

Médicos alertam gestantes sobre importância da vacinação no pré-natal