• 24/05/2024

Cerca de 30 ucranianos morrem ao tentar fugir da convocação militar

Cerca de 30 ucranianos morreram ao tentar cruzar ilegalmente as fronteiras da Ucrânia para evitar lutar na guerra contra a Rússia, que começou em 2022, disse o porta-voz do serviço de fronteira ucraniano à agência de notícias Ukrinform.

“Alguns perderam a vida ao tentar cruzar um rio ou atravessar montanhas”, disse Andriy Demchenko, de acordo com uma reportagem da Ukrinform veiculada na segunda-feira (29).

Com algumas exceções, os homens ucranianos entre 18 e 60 anos não podem deixar o país, pois podem ser mobilizados para o conflito, de acordo com a lei marcial da Ucrânia.

Leia também   União Europeia autoriza entrada de turistas vacinados com Coronavac

Na segunda-feira, o Serviço Estatal de Guarda de Fronteiras disse em uma declaração nas redes sociais que 24 homens morreram ao tentar atravessar o rio Tisa na fronteira da Ucrânia com a Romênia.

Demchenko disse que, desde o início da guerra, os guardas de fronteira descobriram cerca de 450 grupos criminosos que tentaram contrabandear pessoas através da fronteira.

“As tentativas de cruzar ilegalmente a fronteira ocorrem todos os dias”, disse Demchenko. “A maioria dessas tentativas ocorre fora dos postos de controle na fronteira com a Moldávia e a Romênia. O maior número de pessoas com documentos falsos é registrado na fronteira com a
Polônia.”

Leia também   OMS: efeitos pós-covid-19 atingem 10% a 20% dos infectados

Em abril, Demchenko disse à emissora estatal da Ucrânia que, em média, cerca de 10 homens são parados todos os dias tentando sair ilegalmente da Ucrânia.

Na semana passada, a Ucrânia suspendeu os serviços consulares para os cidadãos do sexo masculino em idade militar até 18 de maio, criticando os ucranianos no exterior que, segundo o país, esperavam receber ajuda do Estado sem auxiliá-lo a lutar pela sobrevivência na guerra contra a Rússia.

Em novembro, a BBC afirmou em uma reportagem baseada em dados de travessias ilegais de fronteira para Romênia, Moldávia, Polônia, Hungria e Eslováquia que cerca de 20 mil homens fugiram da Ucrânia desde o início da guerra para evitar convocação.

Leia também   Na 'Páscoa da guerra', Papa Francisco faz críticas implícitas à Rússia

(Reuters)

Read Previous

Votação do projeto que recria Dpvat fica para 7 de maio

Read Next

Vacinação contra gripe é ampliada para público acima de 6 meses