• 20/07/2024

Ações educativas celebram os 27 anos da faixa de pedestres no DF

A faixa de pedestres é um dos principais símbolos do respeito no trânsito e celebra, nesta segunda-feira (1º), 27 anos de adoção no Distrito Federal. Para marcar a data, o Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF) e o Batalhão de Trânsito da Polícia Militar programaram uma série de ações educativas ao longo da semana.

Desde o início deste ano, 1.500 faixas foram renovadas no DF, dando prioridade às próximas de escolas. Atualmente, existem 4.471 travessias nas vias urbanas no DF, sendo 727 instaladas entre 2019 e 2024.

Desde o início deste ano, 1.500 faixas foram renovadas no DF, dando prioridade às próximas de escolas | Fotos: Divulgação/Detran-DF

Proteção

Dados da Gerência de Estatística do Detran-DF mostram que as faixas de pedestres reduzem drasticamente as fatalidades no trânsito. Em 2020, foram registradas três mortes por atropelamentos em faixa de pedestres não semaforizadas. Em 2021, foram seis pedestres mortos e, em 2022, houve uma leve queda, resultando em cinco vítimas. Os dados mais recentes são de 2023, com dois atropelamentos fatais, uma redução de 66% em relação ao ano de 2022.

Leia também   Mãe biológica se apresenta à polícia e leva menina Thaissa

Em comparativo com os atropelamentos em geral, ou seja, fora das travessias, foram 72 acidentes fatais em 2020 e 69 em 2021, uma queda de 4% entre os dois anos. Em 2022, o índice aumentou para 26%, com 91 mortes, enquanto em 2023 estes números reduziram 6,4%, totalizando 85.

Por ser um ponto com um nível alto de distrações entre os pedestres e condutores detectado pelo Detran, durante a manhã desta segunda-feira (1), o evento de conscientização ocorreu na Universidade de Brasília (UnB), em frente ao Restaurante Universitário

Campanha educativa

O evento da manhã desta segunda-feira foi realizado na Universidade de Brasília (UnB), em frente ao Restaurante Universitário por ali ser um ponto com um nível alto de distrações entre os pedestres e condutores detectado pelo Detran. Com cerca de 40 mil pessoas circulando no Campus Darcy Ribeiro, localizado na Asa Norte, o local teve a sinalização horizontal e vertical concluída e também foi selecionado para deixar um alerta ao corpo docente e discente.

Leia também   Para alegria da criançada, 130 parquinhos reformados

“Um grande orgulho que nós temos aqui em Brasília é que a faixa funciona. A campanha educativa é necessária diariamente para que o pedestre e o condutor obedeçam à legislação e, principalmente, à questão da faixa nas estradas e nas vias, além dos quebra-molas e toda as sinalizações horizontal e vertical necessárias”, afirmou o diretor-geral do Detran, Takane Kiyotsuka do Nascimento.

As ações trazem recomendações importantes para uma travessia segura, que vão além de o condutor saber parar e o pedestre fazer o sinal de vida, mas também o ato de retirar os fones de ouvido para atravessar, e, no caso de ciclistas, descer da bicicleta na hora da travessia na faixa.

A estudante de turismo Raphaella Nunes Pedroso, 23 anos, atravessou a faixa na cadeira de rodas e falou sobre o respeito que nota no trânsito. “Pessoas como eu têm dificuldade de locomoção, idosos que usam andador ou muletas, por exemplo. Em outros lugares, às vezes, não há a paciência de esperar as pessoas fazerem a travessia, estão com pressa pela rotina corrida. Não é só pela questão da multa em si, mas também da conscientização da sociedade e da convivência”, destacou a jovem.

Leia também   Mais de 400 motoristas foram autuados por embriaguez

Acompanhando a colega de curso, o estudante Samuel de Oliveira, 20, completou: “Eu acho que a coisa mais importante dessa ação é ressaltar o valor da vida, porque hoje muitos acidentes são causados no trânsito por causa do uso do celular e outras distrações que o motorista acaba tendo. A faixa o governo paga, carro se compra, celular se compra, mas vidas não se compram”.

(Agência Brasília)

Read Previous

Senac-DF inaugurará central de matrículas na Rodoviária do Plano Piloto

Read Next

STF tem maioria de votos contra “poder moderador” das Forças Armadas