• 3 de dezembro de 2020

Vacina de Oxford pode ser distribuída em junho do ano que vem no Brasil

A estimativa da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) é de que a vacina da Universidade de Oxford contra o novo coronavírus pode ser distribuída no Brasil em junho de 2021, assim que o registro emergencial dela for aprovado. A informação foi dada pela reitora da Unifesp, Soraia Smaili, em entrevista à GloboNews.

A vacina de Oxford, feita em parceria com a empresa anglo-sueca AstraZeneca, é uma das três opções que estão atualmente na última fase de testes segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). As outras são a da americana Moderna e a chinesa Sinovac, que também será testada no Brasil. Para a OMS, a vacina britânica é a opção mais avançada no mundo em termos de testagem.

A AstraZeneca e Oxford testarão sua vacina em mais de 50.000 pessoas no mundo todo. No Brasil, serão 5.000 voluntários testados em São Paulo, na Bahia e no Rio de Janeiro. Antes a previsão da empresa anglo-sueca era que a vacina ficaria pronta já neste ano.

Leia também   Decreto torna CPF documento único para acesso a informações do governo

Os dados iniciais sobre os testes da vacina serão publicados na próxima segunda-feira, 20, na conceituada revista científica The Lancet.

“Esperamos que este artigo, que está passando por edição e preparação final, seja publicado na segunda-feira, 20 de julho, para divulgação imediata”, disse uma porta-voz da publicação à agência de notícias Reuters.

Para uma vacina ser aprovada e distribuída, ela precisa passar por três fases de testes. A fase 1 é a inicial, quando as empresas tentam comprovar a segurança de suas vacinas em seres humanos; a segunda é a fase que tenta estabelecer que a vacina produz, sim, imunidade contra um vírus, já a fase 3 é última fase do estudo, tenta demonstrar a eficácia da vacina. Para que uma vacina seja finalmente disponibilizada para a população, é necessário que essa fase seja finalizada e que a proteção receba um registo sanitário. Por fim, na fase 4, a vacina é disponibilizada para a população.

Leia também   RENATINHA COSTA | Desafio WoooW - 21 dias, vai ficar de fora?

Em junho, o governo brasileiro anunciou uma parceria com Oxford para a produção de 100 milhões de doses uma vez que a vacina for aprovada.

Nunca antes foi feito um esforço tão grande para a produção de uma vacina em um prazo tão curto — algumas empresas prometem que até o final do ano ou no máximo no início de 2021 já serão capazes de entregá-la para os países. A vacina do Ebola, considerada uma das mais rápidas em termos de produção, demorou cinco anos para ficar pronta e foi aprovada para uso nos Estados Unidos, por exemplo, somente no ano passado.

Leia também   Auxílio emergencial tem datas para contestação

Uma pesquisa aponta que as chances de prováveis candidatas para uma vacina dar certo é de 6 a cada 100 e a produção pode levar até 10,7 anos. Para a covid-19, as farmacêuticas e companhias em geral estão literalmente correndo atrás de uma solução rápida. 

Nenhum medicamento ou vacina contra a covid-19 foi aprovado até o momento para uso regular, de modo que todos os tratamentos são considerados experimentais.

(Portal Exame)

Avatar

Destaque DF

Read Previous

Comissão da reforma tributária retoma trabalhos na Câmara

Read Next

Governo propõe criação do Fundo Previdenciário em Goiás