• 26 de outubro de 2020

Delegacia do Riacho Fundo ganhará núcleo de atendimento à mulher

A 29ª Delegacia de Polícia (Riacho Fundo) ganhará um Núcleo Integrado de Atendimento à Mulher (NUIAM). A iniciativa da Polícia Civil visa o enfrentamento da violência contra o público feminino. A ideia é proporcionar atendimento mais humanizado e eficiente para amparar a vítima e proporcionar a ela condições de interromper o ciclo de agressões. A inauguração do NUIAM será às 15h desta segunda-feira (9/12).

A 29ª DP será a primeira unidade policial do Distrito Federal a receber o NUIAM. No local, haverá espaço exclusivo para acolher as mulheres vítimas de violência. Além do registro de ocorrência, elas receberão atendimento psicológico, assistência jurídica e social.

Os serviços serão disponibilizados por meio de parcerias firmadas com o Juizados deViolência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT), com as Promotorias de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), Conselho Tutelar e Universidade Católica de Brasília (UCB).

Precisa de ajuda?

Saiba onde conseguir em atendimento, caso esteja em situação de violência:  

Central de Atendimento à Mulher em Situação de Violência — Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República 

Telefone: 180 (disque-denúncia)


Centro de Atendimento à Mulher (Ceam)

Leia também   É Carnaval! Veja quatro sucos detox para desinchar antes da folia

» De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h

» Locais: 102 Sul (Estação do Metrô), Ceilândia, Planaltina

Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam) 

» Entrequadra 204/205 Sul – Asa Sul

(61) 3207-6172


Disque 100 — Ministério dos Direitos Humanos 

Telefone: 100

Programa de Prevenção à Violência Doméstica (Provid) da Polícia Militar** 

Telefones: (61) 3910-1349 / (61) 3910-1350

(Correioweb)

Avatar

Destaque DF

Read Previous

Brasília inaugura a maior árvore natalina do Brasil

Read Next

Campanha orienta servidores da saúde contra feminicídio