• 20 de maio de 2022

Internet gratuita para aluno e professor começa a ser liberada

Agora, quem não tiver acesso à web receberá em casa o material impresso. Saiba como vai funcionar todo o processo

A internet gratuita para acesso à plataforma Google Sala de Aula será liberada a partir desta quarta-feira (15). No primeiro momento, poderão utilizar o serviço alunos e professores que possuem chip ativo das operadoras Tim e Claro. Ambas já se credenciaram por meio de chamamento público. A cobrança do serviço será reversa: os usuários navegam por meio do aplicativo Escola em Casa DF e a Secretaria de Educação paga a conta.

“Garantimos mais uma grande vitória e uma importante ferramenta para a nossa rede de ensino.  Estamos trabalhando duro para enfrentar esse que é o maior desafio da história da educação do Distrito Federal: proporcionar ensino de qualidade a todos, de forma remota, durante o período de suspensão das atividades presenciais”, afirma o secretário de Educação, Leandro Cruz.

Leia também   Home office pode levar a cortes nos salário? No Facebook, sim

“Todo esse esforço é para, em conjunto com as equipes gestoras e as regionais de ensino, oferecer melhores condições de atuação aos nossos profissionais, acesso aos nossos estudantes a ferramentas tecnológicas e garantia de material impresso àqueles que não têm este acesso”, destacou o secretário-executivo, Fábio Sousa.

Os pacotes de dados são exclusivamente para acesso à plataforma. Para isto, além de ter um dispositivo com chip ativo, basta baixar o aplicativo Escola em Casa DF, disponível para aparelhos Android e iOS.

No caso da educação infantil e dos anos iniciais, são os responsáveis pelas crianças que poderão acessar à plataforma e baixar os materiais das aulas preparadas para os filhos – ou estudantes pelos quais são responsáveis.

Leia também   Petrobras continuará a contratar equipes de contingência

Mais de 470 mil estudantes e 72 mil profissionais da educação estão cadastrados na plataforma. Desde o primeiro dia do retorno do ano letivo, valendo frequência, de 13 de julho até o dia 14 de setembro, a plataforma teve 7,2 milhões de acessos de estudantes e 1,3 milhão de professores.

Material impresso
Outra importante iniciativa vai assegurar educação gratuita e de qualidade para todos: os estudantes que ainda não têm acesso contarão com um serviço de entrega e recolhimento de materiais impressos. Até então, as famílias estavam indo às escolas para buscar os materiais e também para entregar as atividades realizadas.

Leia também   Caesb suspende atendimento presencial

As coordenações regionais de ensino foram autorizadas a utilizar recursos do Programa de Descentralização Financeira e Orçamentária (PDAF) para contratar empresas especializadas na prestação deste serviço.

Caberá às regionais de ensino organizar a logística junto às escolas, que são as responsáveis pelo contato com as famílias.

(Agência Brasília)

Read Previous

Anvisa amplia número de voluntários para testar vacina de Oxford

Read Next

Conheça os Benefícios da Atividade Física